Links de Acesso

Militantes da UNITA desalojados em Benguela denunciam perseguição do MPLA


Cubal, Benguela

São cerca de 180 que não regressam às suas casas no Cubal por medo de perseguição.

Um mês e meio após os incidentes que provocaram três mortos e vários feridos no município do Cubal, na província angolana de Benguela, centenas de militantes da UNITA continuam longe das suas moradias e dizem estar a ser perseguidos por membros do MPLA.

Na semana passada, o Presidente da República, José Eduardo dos Santos, afirmou esperar que incidentes como o que envolveu deputados da UNITA em Benguela, a 25 de Maio último, não voltem a acontecer, mas a verdade é que prevalece o espectro de violência.

Empurrados para bem longe das suas casas, 180 pessoas continuam ao relento, nas margens do rio Songue, comuna da Capupa.

Eles estão a 25/30 quilómetros do local de residência, para onde deverão regressar, não se sabe quando, com uma condição: a menos que se filiem no MPLA,

“A situação não alterou, continuam mais de 100 pessoas, incluindo mulheres e crianças, a receber ameaças. Não conseguem deixar as margens do rio para regressar à casa. A menos que se filiem no MPLA, é a imposição’’, refere um cidadão do Cubal, que optou por falar sob anonimato.

A mesma fonte diz que “para as autoridades, só tem direitos quem é do MPLA, os outros não contam, parece que não são pessoas’’.

A VOA sabe que membros do Governo de Benguela, com Isaac dos Anjos à testa, deverão dialogar com os deslocados que se encontram em condições precárias visando assegurar que o regresso às suas casas ocorra sem violência.

Uma fonte oficial contactado diz que não está a par desta informação, mas lembrou que, a acontecer, será depois do próximo sábado, dia em que o MPLA estará a tratar do seu Congresso.

Com o caso prestes a chegar à Procuradoria Geral da República, recorde-se, o Chefe de Estado revelou que o inquérito estava a ser aprofundado, visando determinar correctamente o que se passou.

Várias vezes contactados pela VOA, o chefe da Ordem Pública e o porta-voz do Comando Provincial, Carlos Mota e Pinto Caimbambo, optaram sempre por não prestar declarações, até mesmo sobre a denúncia dos militantes da UNITA.

XS
SM
MD
LG