Links de Acesso

Myanmar: Milhares em protestos em após a morte de dois manifestantes


Estudantes de medicina na manifestação desde domingo, na cidade de Mandalay, Mianmar

ONU, EUA e UE condenam veementemente o uso de força letal contra manifestantes pacíficos

Milhares de manifestantes voltaram às ruas de Myanmar, neste domingo, 21, um dia depois de duas pessoas terem morrido quando a polícia e as forças de segurança usaram balas de borracha, gás lacrimogéneo e canhões de água contra os que protestavam contra o golpe militar de 1 de Fevereiro.

O Secretário-Geral da ONU, Antonio Guterres, condenou a violência mortal.

"O uso de força letal, intimidação e assédio contra manifestantes pacíficos é inaceitável", disse ele no Twitter no final do sábado.

O relator especial da ONU para Mianmar, Tom Andrews, twittou “Estou horrorizado com mais perdas de vidas, incluindo um adolescente em Mandalay, enquanto a junta governante aumenta sua brutalidade em Mianmar. De canhões de água a balas de borracha e gás lacrimogéneo e agora tropas reforçadas atirando à queima-roupa contra manifestantes pacíficos. Essa loucura deve acabar, agora! ”

Vinte pessoas ficaram feridas na violência de sábado, de acordo com o chefe de um serviço voluntário de emergência, e 569 foram detidas em conexão com a tomada militar, disse a Associação de Assistência a Prisioneiros Políticos, um grupo activista.

Na madrugada de domingo, a polícia prendeu um actor famoso, Lu Min, que havia participado de protestos em Yangon e era uma das seis celebridades que o exército disse serem procuradas com base numa lei anti-incitamento.

O exército acusou Lu Min de encorajar funcionários públicos a se unirem ao protesto. Se condenado, ele pode ficar na cadeia por dois anos.

O porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Ned Price, disse que os Estados Unidos estavam "profundamente preocupados" com relatos de que as forças de segurança atiraram contra os manifestantes e continuaram a deter e perseguir manifestantes e outros.

“Apoiamos o povo da Birmânia”, escreveu Price no Twitter. Myanmar também é conhecido como Birmânia.

A Grã-Bretanha disse que consideraria novas acções contra os envolvidos na violência contra os manifestantes, e o Ministério das Relações Exteriores da França classificou a violência como "inaceitável".

O tiroteio de manifestantes pacíficos em Mianmar está além dos limites", disse o secretário de Relações Exteriores britânico, Dominic Raab, num tweet. "Vamos considerar outras ações, com nossos parceiros internacionais, contra aqueles que esmagam a democracia e sufocam a dissidência."

Numa mensagem no Twitter, o chefe de política externa da UE, Josep Borrell, pediu “aos militares e a todas as forças de segurança em #Myanmar que parem imediatamente com a violência contra civis”.

Os ministros dos negócios estrangeiros da UE devem se reunir na segunda-feira para discutir possíveis sanções.

As forças de segurança têm se tornado cada vez mais agressivas contra os manifestantes, que entraram em confronto com as forças de segurança de Myanmar desde que os militares detiveram a líder de facto Aung San Suu Kyi e outros oficiais de alto escalão do governo civil há quase três semanas.

Os militares declararam estado de emergência de um ano, citando uma fraude generalizada nas eleições gerais de novembro passado, vencidas de forma esmagadora pela Liga Nacional para a Democracia de Suu Kyi.

As alegações dos militares foram rejeitadas pela comissão eleitoral de Myanmar.

Desde então, dezenas de milhares de manifestantes encheram as ruas das maiores cidades de Myanmar em desafio ao recolher obrigatório e à proibição de reuniões de mais de quatro pessoas, segurando cartazes com slogans pró-democracia, muitos deles com fotos de Suu Kyi.

Manifestantes exibem a fotografia de Aung San Suu Kyi, 21 de Fevereiro
Manifestantes exibem a fotografia de Aung San Suu Kyi, 21 de Fevereiro

Além dos protestos, funcionários do governo e funcionários públicos estão em greve. Os militares ordenaram que os funcionários públicos voltassem ao trabalho e ameaçaram agir contra eles.

Um número crescente de trabalhadores de outros setores, incluindo pessoal médico, abandonou seus empregos nos últimos dias.

A Embaixada dos EUA em Myanmar alerta os cidadãos americanos sobre os protestos em todo o país agendados para segunda-feira, aconselhando que eles adiem "viagens desnecessárias".

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG