Links de Acesso

Mianmar: Acesso à Internet bloqueado; milhares de pessoas em protesto


Protestos no Mianmar - 5 Fevereiro

Os militares de birmaneses bloquearam a Internet no país neste sábado 6 de Fevereiro, enquanto milhares de pessoas protestavam na maior cidade de Mianmar, Yangon.

Foi a maior manifestação de rua vista desde o golpe no início da semana.

À medida que os protestos aumentavam, testemunhas relataram o encerramento de serviços de dados móveis e WiFi.

Anteriormente, os militares ordenaram que operadoras móveis e provedores de Internet bloqueassem o acesso ao Twitter e Instagram.

Uma proibição temporária já foi colocada no Facebook, que conta com metade da população de 54 milhões do país como utilizadores.

Antes do bloqueio, as hashtags #SaveMyanmar e #RespectOurVotes estavam trending e muitos usavam a plataforma para expressar a sua oposição ao golpe militar.

O Ministério das Comunicações e Informação não respondeu imediatamente a um pedido de comentário, mas disse anteriormente que havia bloqueado o Facebook por uma questão de "estabilidade".

Um porta-voz do Facebook confirmou o bloqueio no Instagram à Reuters.

Uma porta-voz do Twitter disse: "continuaremos a defender o fim das paralisações destrutivas lideradas pelo governo".

A norueguesa telecom Telenor, uma das maiores no Mianmar, expressou a sua preocupação em comunicado e disse que questionou a necessidade da ordem às autoridades.

Pela quarta noite consecutiva, os residentes de Yangon bateram em panelas e frigideiras para mostrar resistência contra o controle militar e "expulsar os espíritos malignos".

Oponentes ao golpe

Funcionários de vários ministérios do governo colocaram fitas vermelhas na capital Naypyitaw e alguns professores de uma universidade em Yangon recusaram-se a trabalhar e fizeram uma saudação com três dedos como um símbolo de resistência, inspirado na série de filmes "Hunger Games".

No sábado, Sean Turnell, um consultor económico australiano de Suu Kyi, disse em mensagem à Reuters que estava a ser detido.

Esta é a primeira prisão conhecida de um estrangeiro no Mianmar desde que os generais do exército tomaram o poder na segunda-feira, alegando fraude nas eleições de Novembro.

Suu Kyi e pelo menos 147 pessoas foram detidas desde o golpe, incluindo ativistas, legisladores e funcionários do seu governo.

Isso é de acordo com a Associação de Assistência para Prisioneiros Políticos (AAPP).

Reuters

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG