Links de Acesso

Meghan Markle acusa família real britânica de racismo e diz que teve pensamentos suicidas


Meghan Markle ao lado da rainha Elizabeth II, Junho 2018

Meghan, a esposa do príncipe Harry, acusou a família real da Grã-Bretanha de levantar preocupações sobre o quão escura a pele de seu filho poderia ser e de levá-la à beira do suicídio, numa entrevista de televisão que chocou os espectadores.

A mulher de 39 anos, cuja mãe é negra e o pai branco, disse que era ingénua antes de se casar com a realeza em 2018, mas que acabou tendo pensamentos suicidas e considerou a automutilação depois de pedir ajuda, mas não obtendo nenhuma.

Meghan disse que o seu filho, Archie, agora com um ano, teve o título de príncipe negado porque havia preocupações dentro da família real sobre "como a sua pele pode ficar escura depois de nascer".

"Isso foi-me retransmitido por Harry, essas foram as conversas que a família teve com ele", contou Meghan numa entrevista com Oprah Winfrey transmitida na CBS no domingo.

Meghan recusou-se a dizer quem levantou tais preocupações, assim como Harry, que disse que a sua família cortou-os financeiramente e que o seu pai, o príncipe Charles, herdeiro do trono britânico, o decepcionou e se recusou a atender as suas chamadas, a determinada altura.

O Palácio de Buckingham não comentou imediatamente a entrevista, que foi ao ar nas primeiras horas da manhã de segunda-feira na Grã-Bretanha.

A conversa com Winfrey foi a entrevista real mais esperada desde que a falecida mãe de Harry, a princesa Diana, compartilhou detalhes íntimos do seu casamento fracassado com Charles em 1995, prejudicando a reputação do herdeiro e a posição da família aos olhos dos britânicos público.

Quase três anos desde o seu casamento repleto de estrelas no Castelo de Windsor, Meghan descreveu alguns membros não identificados da casa real como brutais, mentirosos e culpados de comentários racistas.

Ela também acusou Kate, a esposa do irmão mais velho de seu marido, o príncipe William, de fazê-la chorar antes do casamento.

Embora a família recebesse críticas abertas, nem Harry nem Meghan atacaram a rainha Elizabeth diretamente.

Ainda assim, Meghan disse que foi silenciada pela "firma" - que Elizabeth dirige - e que os seus pedidos de ajuda enquanto sofria com reportagens racistas caíram em "ouvidos mocos".

"Eu simplesmente não queria mais estar viva. E esse era um pensamento constante, muito claro, real e assustador. E lembro-me de como ele (Harry) apenas me embalou", disse Meghan, enxugando as lágrimas.

'Realmente decepcionante'

O anúncio de Harry e Meghan em Janeiro de 2020 de que pretendiam deixar seus papéis reais colocou a família em crise. No mês passado, o Palácio de Buckingham confirmou que a separação seria permanente, já que o casal busca construir uma vida independente nos Estados Unidos.

Harry, 36, disse que se afastou dos deveres reais por falta de compreensão e que estava preocupado com a história a repetir-se - uma referência à morte de sua mãe, Diana, que morreu num acidente de carro em 1997, quando fugia de paparazzi.

Questionado sobre o que sua mãe diria sobre os acontecimentos, ele disse: "Acho que ela ficaria muito zangada com a forma como isso aconteceu e muito triste."

Ele sentiu-se "realmente decepcionado" com o pai e acrescentou: "A minha família literalmente cortou-me financeiramente."

Harry negou ter enganado a rainha Elizabeth, sua avó, com a sua decisão de evitar a vida dentro da monarquia, mas disse que o seu pai parou de atender as suas ligações em determinado momento.

"Tive três conversas com minha avó e duas com o meu pai antes de ele parar de atender as minhas ligações. E então ele disse: 'Podes colocar tudo isso por escrito?'"

Os críticos dizem que o casal queria os holofotes, mas não estava disposto a viver com a atenção que isso atraiu. Para os apoiantes, o tratamento deles mostra como uma instituição britânica desatualizada atacou uma mulher bi-racial moderna e independente.

Mentiras e lágrimas

Também houve alegações de bullying contra Meghan, que apareceram no jornal The Times na preparação para a aparência do casal. O Palácio de Buckingham disse que investigaria as alegações, acrescentando que estava "muito preocupado".

Meghan disse a Winfrey que as pessoas dentro da instituição real não apenas falharam em protegê-la contra alegações maliciosas, mas mentiram para proteger os outros.

"Foi só quando nos casamos e tudo começou a piorar de verdade que percebi que não apenas não estava sendo protegida, mas que eles estavam dispostos a mentir para proteger outros membros da família", disse Meghan.

Meghan negou uma história de jornal que dizia que ela fizera Kate, duquesa de Cambridge, chorar antes do casamento e disse que foi um ponto de virada nas suas relações com a media e o palácio.

"O inverso aconteceu", disse Meghan. "Poucos dias antes do casamento, ela (Kate) estava chateada com algo, a questão estava relacionada com os vestidos das meninas das flores, e isso me fez chorar. E realmente feriu meus sentimentos."

Meghan, que disse que não foram pagos para a entrevista, admitiu que não percebeu no que estava a casar quando se juntou à monarquia britânica e "entrou nisso ingenuamente".

O casal também revelou que Meghan, que está grávida pela segunda vez, está à espera de uma menina.

Harry disse que Meghan "salvou-o" da sua vida real aprisionada. "Eu discordaria, acho que ele salvou todos nós. Tomaste uma decisão que certamente salvou minha vida", disse Meghan.

"De certa forma, isso é apenas o começo para nós."

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG