Links de Acesso

Marcolino Moco põe em causa eleições justas e transparentes em Angola

  • Manuel José

Marcolino Moco diz haver uma paz podre

Antigo primeiro-ministro descreve umregime pessoalizado em que tudo depende do Presidente da República.

O antigo primeiro-ministro angolano e membro do Bureau Poílitico do MPLA, Marcolino Moco, diz duvidar que as eleições deste ano seja um processo justo e transparente.

O ex secretário-geral do partido no poder em Angola considera que a comunicação social pública está nas mãos da família presidencial, o que retira o carácter justo que a disputa eleitoral devia observar.

Em conversa com a VOA, Moco diz que o facto de dois dos filhos do Presidente da República estarem a dirigir um canal da TPA é matéria suficiente para se ir a tribunal.

Moco considerou de terrivel a actual situação dos órgãos de comunicação estatal em Angola que em seu entender mais se parecem a órgãos partidários.

''É uma questão gravíssima que só não foi parar ao tribunal porque questões políticas em tribunal é como se diz queixar o javalí da mordedura de um porco. A Dr.Tchizé dos Santos e seu irmão dirigirem um canal da TPA, é de uma gravidade terrivel, termos uma TPA e RNA que mais se parecem a ''Angola Combatente'' ou ''Vorgan'' daquele, e isto é grave e injusto para a disputa eleitoral'', disse o antigo governante.

Moco acrescenta ainda que o país tem "um regime pessoalizado em que tudo depende do Presidente da República e agora também começa a estar nas mãos dos filhos do Presidente", por isso, na sua óptica, "falar de eleições transparentes e justas é uma mera formalidade, a única vantagem nisso é continuarmos com esta paz podre''.

A sua Opinião

Mostrar Comentários

XS
SM
MD
LG