Links de Acesso

Macron diz que "linhas vermelhas claras" devem ser traçadas com a Rússia


Nesta foto de 2019 o Presidente russo Vladimir Putin, a Chanceler alemã Angela Merkel e o Presidente francês Emmanuel Macron conversam na conferência de imprensa de uma cimeira em Paris. 10 de Dezembro 2019

As potências mundiais devem traçar "linhas vermelhas claras" com a Rússia e considerar possíveis sanções contra Moscovo quando aquelas forem cruzadas, disse o Presidente francês Emmanuel Macron à rede de notícias dos EUA CBS em entrevista.

"Temos que definir limites claros com a Rússia", disse Macron.

"Esta é a única maneira de ter credibilidade. As sanções não são suficientes por si mesmas, mas as sanções são parte do pacote", disse ele, acrescentando que também concordou com a disposição do Presidente dos EUA, Joe Biden, de abrir um diálogo com o Presidente russo, Vladimir Putin num momento de tensões inflamadas.

Os comentários de Macron afastaram-se da posição anterior da França sobre a Rússia e moveram o país para mais perto de seu aliado nos EUA.

Desde a sua eleição em 2017, o líder francês tentou reduzir a desconfiança entre a Rússia e o Ocidente, na esperança de conseguir a ajuda da Rússia para resolver as crises mais intratáveis do mundo.

Os comentários de Macron ocorrem em meio a alguns dos piores atritos entre os Estados Unidos e a Rússia desde o fim da Guerra Fria em 1989.

Os Estados Unidos impuseram na semana passada uma ampla gama de sanções à Rússia, incluindo restrições ao seu mercado de dívida soberana, sobre o que disseram ter sido a interferência de Moscovo na eleição do ano passado nos Estados Unidos, hacking cibernético russo, intimidação à Ucrânia e outras acções supostamente malignas.

Washington também expulsou dez diplomatas russos.

Em resposta, a Rússia disse na sexta-feira a dez diplomatas dos EUA que deixassem o país e sugeriu que o embaixador dos EUA voltasse para casa para consultas.

Na Europa, as tensões entre Moscovo e Kiev também aumentaram em meio ao aumento de tropas russas ao longo da fronteira com a Ucrânia e confrontos no leste do país entre o exército ucraniano e separatistas pró-russos.

O Presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskiy, pediu na sexta-feira negociações de paz com Moscovo.

Em outro sinal de tensões mais amplas, a República Checa disse no domingo que informou aos aliados da NATO e da União Europeia sobre a suspeita de envolvimento da Rússia na explosão de um depósito de munição em 2014 e que o assunto seria tratado numa reunião de ministros das Relações Exteriores da UE na segunda-feira.

Reuters

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG