Links de Acesso

Libertados dois dos 17 reféns norte-americanos raptados no Haiti


Protesto contra aumento do número de raptos em Port-au-Prince, Haiti (18 Nov 2021)

Os missionários e familiares - um grupo de 16 americanos e um canadiano - foram raptados a 16 de Outubro quando regressavam de um orfanato numa área controlada por um dos mais poderosos bandos criminosos do Haiti.

Dois dos 17 norte-americanos que foram raptados por um bando haitiano em meados de Outubro foram libertados,anunciou a igreja a que estavam afiliados neste domingo,acrescentando que estavam "de bom humor".

"Apenas informação limitada pode ser fornecida, mas podemos informar que os dois reféns que foram libertados estão a salvo, em bom estado de espírito, e a ser tratados", disse o Ministério da Ajuda Cristã dos EUA numa declaração no seu website.

Os missionários e familiares - um grupo de 16 americanos e um canadiano - foram raptados a 16 de Outubro quando regressavam de um orfanato numa área a leste da capital Port-au-Prince, controlada por um dos mais poderosos bandos criminosos do Haiti.

O Ministério da Ajuda Cristã, sediado no estado de Ohio, disse que os reféns são 12 adultos com idades compreendidas entre os 18 e os 48 anos, e cinco crianças com idades compreendidas entre os 8 meses e os 15 anos.

"Não podemos fornecer ou confirmar os nomes dos libertados, as razões da sua libertação, de onde são, ou a sua localização actual", disse a igreja, pedindo aos que têm conhecimento dos detalhes que mantenham a informação sensível em segredo.

"Enquanto nos regozijamos com esta libertação, os nossos corações estão com as quinze pessoas que ainda se encontram detidas", disse a declaração.

O bando "400 Mawozo" por detrás do rapto, tinha exigido um resgate de um milhão de dólares por cabeça, tinham dito fontes à AFP. A igreja não forneceu quaisquer pormenores sobre o assunto no domingo.

Agentes do FBI, autoridades haitianas e a unidade anti-sequestro da polícia nacional têm vindo a negociar há mais de um mês com os raptores.

Desde Dezembro de 2020, a polícia haitiana tem procurado o líder do bando, Wilson Joseph, por crimes incluindo assassinato, sequestro, roubo de veículos e sequestro de camiões de carga.

O recente surto de sequestros no Haiti chama a atenção para o aumento do domínio dos gangues sobre o país, algo que as agências de aplicação da lei não conseguem conter.

Os gangues tomaram o controlo efectivo de grande parte da capital, Port-au-Prince, que tem estado sob uma crise política crescente, particularmente com o assassinato do Presidente Jovenel Moise em Julho.

Os Estados Unidos aconselharam os americanos a não viajar para o Haiti, em particular devido a raptos que dizem visar regularmente cidadãos americanos.

Na semana passada, tanto os Estados Unidos como o Canadá recomendaram adicionalmente que os seus nacionais que vivem naquele país partissem.

Mais de 800 pessoas foram raptadas para resgate desde Janeiro no Haiti, de acordo com o Centro de Análise e Investigação em Direitos Humanos (CARDH).

Em Abril, 10 pessoas, incluindo dois clérigos franceses, foram raptados e mantidos reféns 20 dias pelo gangue 400 Mawozo na mesma região.

(AFP)

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG