Links de Acesso

"Liberdade de imprensa em Angola sofre muitas limitações", diz vigário do Lubango

  • Teodoro Albano

Rádio Eclesia continua à espera da expansão

Jonas Pacheco Simão lembra que um dos termómetros da democracia é o desempenho da imprensa

A liberdade de imprensa em Angola ainda sofre muitas limitações até do ponto do vista legal.

A opinião é do padre e jornalista, Jonas Pacheco Simão, que vê o exercício da profissão em Angola a duas velocidades: “uma em Luanda que considera com mais abertura” e diversos veículos de comunicação e “outra no resto do país”, mais fechada e circunscrita.

Simão aponta as dificuldades de abertura de mais meios de comunicação social fora da capital, como um dos indícios de como vai a liberdade de imprensa em Angola.

“Nós temos o problema da Rádio Ecclesia que continua de facto por resolver. Não sabemos por que não se permite à emissora católica de Angola transmitir para todo o país. Também sabemos que mais pessoas querem criar rádios locais e uma outra pessoa quer pôr a funcionar uma televisão, mas do ponto de vista legal ainda não se tem feito mais para abrir a imprensa”, denunciou Simão.

Na visão do também vigário da Sé Catedral do Lubango, proferida no Dia Mundial da Liberdade de Imprensa, “um dos termómetros da democracia é o desempenho da imprensa” que na sua visão “encontra barreiras”.

Jonas Pecheco Simão diz mesmo que em Angola há perseguição de quem escreve, pensa e fala diferente do poder instituído.

“Um dos termómetros é de facto a liberdade de imprensa o desempenho da imprensa, nesta altura fala-se sempre das fontes, mas também infelizmente às vezes na perseguição de quem pensa diferente, de quem escreve diferente, de quem fala diferente. É um aspecto que devíamos trabalhar mais. O nosso país, creio, não está bem classificado e isto não pode orgulhar nenhum angolano”, concluiu o padre.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG