Links de Acesso

Leitura da sentença do caso "Rabelais" sem data devido à "sua complexidade"


Manuel Rabelais, deputado angolano

A decisão é do juiz Daniel Modesto, na Câmara Criminal do Tribunal Supremo

A alegada “complexidade do processo crime” que envolve o antigo director do Grecima, Manuel Rabelais, e o seu assessor, Hilário Alemão, foi evocada como razão por que o Tribunal Supremo (TS) não marcou a data para a leitura da sentença.

Não há ainda data para sentença de Rabelais – 1:07
please wait

No media source currently available

0:00 0:01:07 0:00


Na sessão desta quinta-feira, 25, a Câmara Criminal do TS, na pessoa do juiz Daniel Modesto, fez a leitura dos quesitos, sobretudo o que foi ou não provado durante a fase da produção da prova.

O porta-voz do tribunal, Pedro Chilikuessua, disse que as respostas às perguntas, tanto do tribunal, como do Ministério Público (MP) e da defesa dos réus, “serão dadas no mesmo dia da leitura do acórdão deste processo”.

João Gurgel, advogado de Manuel Rabelais, voltou a questionar o alegado desvio de mais 117 milhões de dólares, por parte do seu constituinte, mas remeteu para o juiz a decisão.

“Vamos deixar que a decisão seja tomada”, defendeu.

Manuel Rabelais e Hilário Alemão Santos estão a ser julgados sob a acusação de peculato, sob forma continuada, e de branqueamento de capitais na gestão do extinto Gabinete de Revitalização da Comunicação Institucional e Marketing da Administração (GRECIMA) e que terá resultado num desfalque equivalente a mais de 117 milhões de dólares, entre os anos de 2016 e 2017.

O Ministério Público (MP) pediu a condenação dos réus a uma pena de cinco a 14 anos de prisão, alegando não ter dúvida de que Rabelais e Santos desviaram, para benefício próprio dinheiro de uma instituição do Estado.

Manuel Rabelais foi também ministro da Comunicação e um dos mais próximos aliados do antigo Presidente José Eduardo dos Santos.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG