Links de Acesso

Líder da junta da Guiné-Conacri decide transição de 39 meses


Imagem de arquivo: Presidente da Junta da Guiné-Conacri, Coronel Mamady Doumbouya

O coronel Mamady Doumbouya, chefe da junta militar da Guiné-Conacri, disse no sábado que optou por um período de transição de 39 meses antes do retorno ao governo civil.

Ele fez o anúncio num discurso transmitido pela televisão, dizendo que o Conselho Nacional de Transição (CNT) apresentaria a proposta ao parlamento.

O anúncio veio após a criação do que o regime descreveu como uma "estrutura de consulta inclusiva" em Abril.

Isso culminou numa conferência boicotada por vários grupos políticos proeminentes.

Na sexta-feira, o governo dominado pelo exército disse que o fórum que considerou o assunto considerou um período de transição entre 18 e 52 meses.

Doumbouya, no discurso de sábado, descreveu o período escolhido como a "proposta mediana".

O bloco regional CEDEAO estabeleceu na última segunda-feira, 25 de Abril, um prazo para apresentar um cronograma de transição "aceitável" ou risco de sanções económicas e financeiras.

A junta militar governante da Guiné-Conacri deixou o prazo passar, no entanto, pedindo à Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) mais tempo para que as consultas continuem.

A CEDEAO pediu um cronograma "aceitável" para o retorno ao regime civil, caso contrário, ameaçou estender as sanções aplicadas à Guiné após o golpe militar.

- Descontentamento crescente -

Em Setembro de 2021, oficiais do exército liderados pelo coronel Mamady Doumbouya derrubaram o Presidente eleito Alpha Condé.

Condé, de 84 anos, atraiu forte oposição depois de aprovar uma nova Constituição em 2020 que lhe permitiu concorrer a um terceiro mandato presidencial.

Após o golpe, a CEDEAO pediu o retorno ao regime civil dentro de seis meses.

Embora muitos guineenses tenham acolhido inicialmente o golpe, há um descontentamento crescente contra a junta no país de 13 milhões de pessoas.

O golpe na Guiné em Setembro passado veio logo após a tomada do poder militar no Mali.

A CEDEAO aplicou sanções a membros da junta do Mali, fechou suas fronteiras com o país, congelou os seus activos no Banco Central dos Estados da África Ocidental e impôs um embargo comercial.

Para a Guiné, os principais membros da junta foram sancionados e estão sujeitos a uma proibição de viagem dentro do bloco.

Um terceiro membro da CEDEAO, Burkina Faso, sofreu um golpe em Janeiro.

Até agora, escapou das sanções impostas à Guiné e ao Mali, mas também recebeu até segunda-feira passada para definir um "cronograma de transição aceitável".

A junta burkinabe disse que mantém um cronograma de três anos para a realização de eleições, argumentando que primeiro precisa lidar com uma sangrenta insurgência jihadista.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG