Links de Acesso

Insurgência em Cabo Delgado: Ataques vistos como atos de guerrilha


Deslocados, Cabo Delgado, Moçambique

Analistas divergem quanto à natureza e objetivos do grupo armado realiza ataques na província moçambicana de Cabo Delgado, uns considerando-o terrorista e outros afirmando tratar-se de uma organização de guerrilha.

As autoridades moçambicanas dizem que Cabo Delgado está a ser alvo de ataques da organização terrorista Estado Islâmico, havendo, no entanto, quem discorde, afirmando ser necessário aprofundar o assunto.

O pesquisador do Centro de Integridade Pública (CIP), Borges Nhamire, diz que o que passa em Cabo Delgado é terrorismo usando métodos de guerrilha.

Para Nhamire, "terrorismo tem a ver com a finalidade do conflito e neste caso, trata-se de atacar alvos civis para criar medo e forçar as autoridades a aceitar ou deixar de praticar determinados actos, mas sem atacar alvos militares."

Califado

Ele realça que "eles estão a atacar alvos civis, queimar casas e destruir propriedades privadas, mas o objectivo é criar o califado".

"Neste caso", anota Nhamire, "eles querem forçar o Governo a render-se ao seu objetivo; isso é terrorismo e guerrilha ao mesmo tempo, porque não é uma guerra aberta; não sabemos onde estão as suas bases, misturam-se com as comunidades, atacam e desaparecem".

Por seu turno, Adriano Nuvunga, diretor do Centro para a Democracia e Desenvolvimento (CDD), afirma que "em Cabo Delgado temos uma mistura, com elementos claros de guerrilha, o que significa que há um grupo que enfrenta, militarmente, as forças do Estado".

"Isso é uma guerrilha, mas temos também acções de puro terrorismo que tem têm a ver com a profanação feita à missão de Nangololo; temos a destruição de infraestruturas de desenvolvimento; são ações claras de terrorismo, sobretudo pelas manifestações e mensagens que eles passam", considera o diretor do CDD.

Corredor de minérios

Entretanto, o académico Calton Cadeado tem dúvidas que o grupo que ataca Cabo Delgado seja, de facto, terrorista e explica: "Quando você analisa o mapa de violência política em África, nota que da zona central de África para a África Austral, você não tem terrorismo, mas sim guerrilha".

Na opinião de Calton Cadeado, o grupo que ataca Cabo Delgado, "atua como guerrilha e está a tentar adaptar-se ao terrorismo, porque está à procura de apoios políticos, financeiros e morais lá fora; eu não acredito que seja terrorista de facto".

Para o analista Egídio Vaz, nesta questão dos ataques a Cabo Delgado há uma narrativa a ter em conta, que é o facto de ter existido, num passado recente, um autêntico corredor de minérios naquela zona, sendo que os actuais ataques podem ser uma tentativa de restaurar esse corredor internacional.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG