Links de Acesso

Os guineenses assinalam 40 anos de independência

  • Lassana Cassamá

Guine-Bissau: Presidente Serifo Nhamadjo
Os guineenses assinalam hoje 40 anos de independência. Uma data cuja cerimónia oficial teve lugar na Assembleia Nacional Popular e foi presidida pelo Presidente de Transição, Manuel Serifo Nhamadjo.

No seu discurso, o Presidente de Transição evoca o “desespero” da sociedade guineense. Disse que “as constantes crises políticas que o país tem sofrido, ao longo de tempo, resultando na interrupção das sucessivas governações, torna evidente que muito mais poderia ou deveria ter sido feito para melhor”.

Quarenta anos de independencia
please wait

No media source currently available

0:00 0:05:32 0:00
Faça o Download

O Presidente de Transição afirma que chegou a hora de parar e pensar a Guine e na “diversidade caminhar juntos”. Para Serifo Nhamadjo é única saída, sem a qual, o país estaria condenado ao “sofrimento, desgraça e ao subdesenvolvimento crónico”.

O Chefe de estado de Transição frisou ainda que as constantes e persistentes crises que afectam o país minam todos os esforços e todas as conquistas já alcançadas:

Um dos problemas que enfermam Guiné-Bissau de actualidade, além do precário sistema sanitário, na ausência e uma política de saneamento básico, fraco nível do Ensino, sem falar da crónica falta de energia eléctrica e de água potável, tem a ver com a impunidade e a injustiça.

Muitos casos, muitos assassinatos políticos e muitas inversões de ordens constitucionais, marcaram o país, ao longo dos 40 anos, perante olhares pávidos das magistraturas judiciais, transformando a Guiné-Bissau numa sociedade inconformada. O Presidente de Transição descreveu o quadro apático do sector da justiça guineense.


E 40 Anos depois, a Guiné-Bissau apresenta um indicador de desenvolvimento humano muito abaixo. Figura na cauda dos países menos desenvolvidos. A estatística aponta que o nível de desenvolvimento humano na Guiné-Bissau continua fraco e precário. As constantes instabilidades políticas não permitiram criar condições propícias para a execução das políticas públicas ambiciosas e sustentáveis.

De acordo com o relatório mundial do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), sobre o desenvolvimento, a Guiné-Bissau situa-se no lugar 164º num total de 169 países. Basta sublinhar que, entre 2000 e 2010, a Guiné-Bissau registou uma taxa de crescimento médio anual de 0,9%, contra uma média de 2,1% na África subsaariana e de 1,68% nos países com Indicador de Desenvolvimento Humano muito baixo.

Os dois factores que contribuem para cenário, segundo estudos disponíveis, são: a pobreza generalizada, com muito baixo rendimento monetário e a esperança de vida, situada em 48 anos, resultante das dificuldades do acesso e da qualidade dos serviços de saúde.

Esta situação, o Documento de Estratégia Nacional de Redução da Pobreza na Guiné-Bissau (DENARP), está correlacionada com a taxa de crescimento populacional de 2,5% e com uma taxa de crescimento económico, que pouco excede, em média de 3%, entre 2000 e 2010.

Tais indicadores fracos, com a excepção da esperança de vida, afectam particularmente as mulheres, indica ainda o estudo, conforme ainda o qual, a situação do emprego, sobretudo para os jovens não melhorou muito.

A taxa de ocupação para o grupo etário de 15-24 anos é de 10,6%, com uma taxa de 4,6% para as mulheres. Com o subemprego e o desemprego entre os jovens, a taxa de desemprego é, provavelmente, cerca de 30%. Ora, em face desde quadro, algo escurecido, a opinião de alguns guineenses, após 40 anos da independência:
XS
SM
MD
LG