Links de Acesso

"Está em curso no Brasil um genocídio da população negra", diz relatório do Senado


CPI sobre violência contra jovens conclui que um negro entre 15 e 29 anos morre a cada 23 minutos.

O relatório da Comissão de Inquérito Parlamentar do Senado brasileiro sobre o assassinato de jovens brasileiros concluiu que 23.100 jovens negros de 15 a 29 anos são assassinados, ou seja, uma vítima de homicídio a cada 23 minutos.

A taxa de homicídios entre os jovens negros é quase quatro vezes maior em comparação aos jovens brancos.

Ao todo, 80 por cento dessas vítimas são alvos de armas de fogo.

"Está em curso no Brasil um genocídio da população negra", diz relatório do Senado - 3:00
please wait

No media source currently available

0:00 0:03:00 0:00
Faça o Download

O documento aponta três caminhos para a solução deste problema já considerado uma epidemia nacional: um Plano Nacional de Redução de Homicídios de Jovens, transparência de dados sobre segurança pública e violência e o fim dos autos de resistência, um termo usado pela policia que alega legítima defesa ao matar um suspeito.

De acordo com a ONU e a Organização Mundial da Saúde (OMS), em 2012, o Brasil foi responsável por 10 por cento de todos os homicídios do mundo e possui 21 das 50 cidades com mais assassinatos em todo o planeta.

O senador Lindbergh Farias, do PT, autor do relatório da CPI, reforça a tese de que está em curso no Brasil um genocídio da população negra e acrescenta que essas mortes se relacionam à violência policial, à guerra do tráfico e ao racismo.

“Analisando os dados da violência sobre a perspectiva da desigualdade racial, a violência tem uma vítima preferencial: o jovem negro que reside em favelas e periferias. A segurança pública brasileira segue a lógica da guerra. Autorizada pela sociedade, a polícia executa não só jovens envolvidos com o crime, mas também jovens que não têm nada a ver com ele. Estamos presenciando um verdadeiro genocídio dessa nossa juventude negra. Constatamos que o Estado brasileiro em sua amplitude vem sistematicamente dizimando a nossa população negra e a maioria jovem de origem pobre. Por esse motivo concluímos que o genocídio da população negra é a expressão que melhor se enquadra à realidade atual do Brasil”, denunciou Farias.

O Senado aponta acções para reverter esse cenário e combater o que é considerada por muitos uma cultura da violência, baseada no racismo e no preconceito.

Entre as questões estão a política de combate às drogas, a reforma do sistema de segurança pública, o encarceramento e a redução da maioridade penal.

“A política de guerra às drogas não está resolvendo. Não estamos resolvendo o consumo de drogas no Brasil e estamos matando muita gente. Temos que entrar a fundo neste debate de legalização de algumas drogas porque do jeito que está tem muita gente morrendo. Espero que a gente consiga sensibilizar as autoridades brasileiras para criar um pacto pela redução de homicídios no Brasil. Um pacto que envolva o Governo Federal e os Estados com metas e também a sociedade civil”, concluiu o relator da CPI do Senado sobre o assassinato de jovens brasileiros.

Poderá gostar também

XS
SM
MD
LG