Links de Acesso

Fim de casamentos prematuros na agenda de deputados moçambicanos


Casamento Prematuro - Imagem ilustrativa de uma boneca para bolos de noiva

Activistas querem ver respeitados os direitos humanos das raparigas.

Marcela Carlos, tem 21 anos de idade e é mãe de uma menina, de nove anos. É natural do Gilé, na província central da Zambézia.

Vive em Maputo. Partilha um pequeno quarto num dos bairros periféricos, com a filha e uma conterrânea, porque foi abandonada pelo homem que lhe prometera uma vida melhor.

Esta é realidade que se repete com milhares de raparigas um pouco por todo o país.

Se por um lado a pobreza e falta de conhecimento são apontados como principais causas que levam à gravidezes precoces e casamentos prematuros, há também uma questão legal que para muitos activistas sociais, serve de encorajamento para a situação.

E é este o caminho que o parlamento moçambicano decidiu seguir, com pressão de organizações da sociedade civil.

Verónica Macamo, presidente da Assembleia da República, diz que os deputados vão agora fazer a sua parte.

Os activistas esperam que isso reforce a estratégia nacional de combate aos casamentos prematuros, que parte do princípio de que combater esta fenômeno é assegurar os direitos humanos das raparigas.

Acompanhe a reportagem:

Fim de casamentos prematuros na agenda de deputados moçambicanos
please wait

No media source currently available

0:00 0:02:59 0:00

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG