Links de Acesso

Emprego juvenil, o grande desafio do Governo angolano


Especiaistas apontam agricultura como a grande saída para o desemprego juvenil

Dados oficiais indicam que cerca de 45 por cento dos jovens estão desempregados em Angola e, mais de um ano após a posse do novo Governo, a economia não decola.

No fim de semana passado, poucas centenas de jovens marcharam em Luanda para pedir ao Presidente João Lourenço que comece a cumprir a promessa de campanha de 500 mil empregos durante a leguslatura.

Analistas ouvidos pela VOA apontam soluções para a saída do desemprego.

O especialista em gestão de políticas públicas David Kissadila considera que o Executivo deve criar incentivos no interior para desafogar os grandes centros urbanos.

Kissadila entende que a maioria dos jovens não tem preparação para serem absorvidos pelo emprego que requer capacitação e que o trabalho está no campo.

"Temos uma agricultura que praticamente devia absorver grande parte dos desempregados, uma boa parte saiu do campo para os grandes centros urbanossem qualquer qualificação para o emprego nas cidades, a alternativa é o sector informal e por isso vemos muitos jovens nas ruas a vender qualquer coisa para sobreviver", explica David Kissadila, para quem o Governo deve recuperar grande parte dos recursos financeiros nas mãos de um grupo minoritário.

"O desemprego tem muito a ver com a corrupção, cujos recursos que serviriam para promoção de oportunidades e de emprego ficaram nas mãos de uma minoria e este dinheiro pode servir para promover empregos tanto no sector público como no privado", acrescenta Kissadila.

Por seu lado, o presidente da Associação Industrial de Angola (AIA) José Severino partilha da mesma opinião e defende que deve se criar emprego na agricultura, na construção civil e no sector das confecções.

“Somos um bocado lentos a tomar decisões”, lamenta Severino que diz ter a AIA demonstrado na prática como o Executivo deve proceder para recuperar postos de emprego.

“Ainda recentemente no Conselho de Concertação Social foi feita a abordagem pela AIA para se apostar na construção de escolas com material adequado e quem deve executar estas obras são as próprias comunidades, quer sejam jovens ou pessoas de certa idade”, revela Severino que relata experiências nos municípios da província do Kwanza Sul.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG