Links de Acesso

Dhlakama quer asilo diplomático, diz porta-voz da Renamo


Afonso Dhlakama

O porta-voz da Renamo, Fernando Mazanga, confirmou estarem em curso diligências nesse sentido

Uma delegação da Renamo tem estado em contacto com embaixadas em Maputo, pedindo protecção diplomática para o seu líder, Afonso Dhlakama, que há cerca de duas semanas se encontra em parte incerta, na sequência da tomada, pelas forças governamentais, da sua base, em Santhundjira.
please wait

No media source currently available

0:00 0:02:05 0:00
Faça o Download
O líder da Renamo não confia no Governo, aliás, nunca confiou pelo menos neste Governo. Neste momento, a saída airosa para Afonso Dhlakama, seria coloca- lo sob uma protecção diplomática, através das embaixadas.

O porta-voz da Renamo, Fernando Mazanga, confirmou estarem em curso diligências nesse sentido, e disse que as embaixadas, “nem deviam ficar á espera do pedido da Renamo, porque o Presidente Dhlakama está muito mal”.

Segundo Mazanga, o Governo “ está a concentrar homens e material bélico na serra da Gorongosa, para matar o líder da Renamo”.

Entretanto, algumas embaixadas em Maputo contactadas pela Voz da América colocaram muitas hesitações em acolher o líder da Renamo, a menos que seja com uma comunicação do Governo moçambicano, já que isso pode ser interpretado política e diplomaticamente muito mal.

O ponto é que nenhuma chancelaria estaria interessada em entrar em choque com as autoridades moçambicanas, fundamentalmente por causa do contexto económico que Moçambique está a viver neste momento.

Mas, para Fernando Mazanga, esta seria uma das soluções, no sentido de que Afonso Dhlakama teria uma protecção diplomática que lhe possa permitir fazer uma comunicação com o Governo e ter garantias políticas.

Para o analista Calton Cadeado, no caso de esta iniciativa não resultar, existe uma outra saída para o líder da Renamo.

“A outra saída seria deixar o líder da Renamo onde está mas não se fazer uma perseguição politica nem militar, de modo a que se abra o canal de comunicação. Mas para isso é necessário dar garantias muito fortes, não só do lado do Governo mas também de outras fontes.”

O Governo, na voz do ministro da Agricultura, José Pacheco, que tem chefiado a delegação governamental ao diálogo com a Renamo, diz que Afonso Dhlakama não corre nenhum perigo de vida e que o assalto a Santhundjira não visava a sua eliminação física.

Ramos Miguel,VOA-Maputo

A sua Opinião

Mostrar Comentários

XS
SM
MD
LG