Links de Acesso

Críticas de Celso Correia ao Banco de Moçambique reflectem divergências, diz economista João Mosca


Banco de Moçambique

O economista João Mosca diz que as críticas do ministro moçambicano da agricultura ao Banco de Moçambique, por causa da subida súbita do metical, traduzem as divergências existentes entre o Executivo e o Banco Central.

O ministro da Agricultura e Desenvolvimento Rural, Celso Correia, criticou o facto de a apreciação da moeda moçambicana resultar de medidas administrativas e não com base em fundamentos que possam ser sustentáveis ao longo do tempo.

Críticas de Celso Correia ao Banco de Moçambique reflectem divergências, diz economista João Mosca
please wait

No media source currently available

0:00 0:03:16 0:00

Correia adiantou que a súbita valorização do metical está a criar incertezas aos investidores, principalmente os do sector produtivo.

"Tem que haver uma reflexão pontual sobre a política monetária e fiscal, no sentido de responder aos esforços para a promoção da agricultura para exportação", defendeu aquele governante.

Para o economista João Mosca, este posicionamento do ministro Celso Correia, traduz as divergências existentes entre o Governo e o Banco Central.

Ele avançou que "o governador do Banco de Moçambique tem assento, como convidado, em todas as reuniões do Conselho de Ministros, e eu sei que nem sempre existe convergência de opiniões e ideias entre os ministérios económicos e o Banco Central; porém, o Banco de Moçambique tem hierarquia, que é o Fundo Monetário Internacional, que é aquele que traça directivas ao Banco Central".

Para Mosca, se o metical se aprecia, os exportadores, sobretudo os de produtos agrícolas sofrem com isso, e a agricultura moçambicana tem culturas importantes como açúcar, tabaco, cajú e a banana, entre outros produtos.

Por seu turno, o economista Anastácio Ubisse, considera que além disso, as variações rápidas do metical provocam instabilidade e confusão no seio dos produtores não só agrícolas, como também industriais e outros, porque os preços da moeda variam de dia para dia, o que cria incertezas sobre o futuro e sobre o investimento.

O economista Inácio Fernandes, diz que o que o Banco Central tem que fazer, face aos efeitos da rápida valorização do metical, é estabelecer um determinado patamar para a moeda "e fazer com que as variações do câmbio não sejam tão grandes e nem tão rápidas como aconteceu ultimamente, para que os agentes económicos tenham alguma estabilidade e perspectiva de seus investimentos futuros, com base em alguma segurança do que vale o metical".

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG