Links de Acesso

Covid-19 parece estar controlada em Angola


Vacinação contra à covid-19 em Malanje

Especialistas dizem no entanto que não se deve baixar a guarda

Especialistas médicos angolanos consideraram que a epidemia da covid-19 em estabilizou e pode mesmo estar em queda mas avisaram que é preciso manter cuidados para se evitar um recrudecimento da mesma.

Especialistas confiantes que COVID está sob controlo em Angola – 3:04
please wait

No media source currently available

0:00 0:03:03 0:00

Em Angola está a vigorar, desde o dia 1 de Abril, um novo decreto presidencial sobre a situação de calamidade pública, devido à pandemia da covid-19 que, desta vez, se estende por um período de 45 dias, contra os 30 habituais.

No decreto presidencial, o Governo angolano manteve grande parte das medidas preventivas actuais, com destaque para a obrigatoriedade do uso da máscara facial na via pública, mercados e locais fechados.

Francisco Magalhães, médico pneumologista, Luanda, Angola
Francisco Magalhães, médico pneumologista, Luanda, Angola

Para o médico pneumologista Francisco Magalhães, “o país está a passar na fase pós-pandemia, o que é muito salutar, porque as vacinas e a educação cívica da nossa população ajudaram muito”.

Aquele especialista disse, entretanto, ser prudente o uso da máscara facial especialmente para os grupos de pessoas “com fragilidades no sistema respiratório”.

O académico e gestor hospitalar, Nelito Barros, considera, por seu turno que “ o comportamento do vírus sarscov2 em Angola já é estável mas não podemos declarar que estamos numa fase de pós-pandemia”.

Nelito Barros, gestor hospital e professor universitário, Angola
Nelito Barros, gestor hospital e professor universitário, Angola

Barros acrescentou, entretanto, que os angolanos “já adquiriam a imunidade tanto natural como artificial através da vacinação estando o país a viver uma fase de estabilidade imunológica populacional”.

Por altura da actualização do decreto presidencial, o ministro de Estado e Chefe da Casa Militar , Francisco Furtado, anunciou o aligeiramento de algumas medidas preventivas ao reduzido número de casos novos registados em Março.

“Durante o mês de março, a situação da covid-19 não teve grandes alterações, até 4 de fevereiro registamos uma taxa de 0,86% e hoje o país completa 31 dias consecutivos sem óbito”, afirmou o ministro.

Segundo o ministro “as medidas tomadas pelas autoridades têm sortido efeito e estamos em média com uma taxa de 97% de doentes assintomáticos em Março”.

Francisco Furtado disse ser “notório algum relaxamento e indisciplina no uso da máscara facial nos mercados e mesmo na via pública e alertou que “temos que ter em atenção que a pandemia ainda não acabou e temos a obrigar de usa-la”.

O novo decreto presidencial autoriza, no entanto, que oradores ou interlocutores que estiverem no uso da palavra durante uma conferência ou colóquio possam fazê-l sem a máscara facial e recomenda a vacinação para menores a partir de 12 anos.

Segundo Francisco Furtado, também coordenador da Comissão Interministerial de Prevenção e Combate à Covid-19 em Angola, mantém-se a obrigatoriedade da apresentação ou certificado de vacinas ou imunização completa para viagens ao interior do país tendo recomendado aos cidadãos nacionais e estrangeiros a realização de testes pré embarque nos países de origem e de destino.

O novo decreto continua com a obrigatoriedade de isolamento para cidadãos que chegam em Angola sem imunização completa e a presença de público nos recintos desportivos em Angola passa de 75% para 100%, mas estes “devem usar a máscara facial e apresentar o certificado ou ter duas doses da vacina” para aceder aos campos.

“Cai a obrigatoriedade dos testes para atletas e os técnicos desportivos antes dos jogos bastando por isso terem a imunização completa”, disse Furtado.

O governante afirmou ainda que o novo decreto mantém a proibição da venda e consumo de bebidas alcoólicas na via pública e nos postos de abastecimento de combustível e as praias continuam abertas e as marinas “já podem usar as embarcações que estavam restritas”.

Angola permanece há um mês sem óbitos por covid-19 e o quadro epidemiológico da pandemia apresenta 99.194 casos positivos confirmados, tendo 97.149 recuperado da doença.

Permanecem 145 casos activos. desses, dois apresentam sintomas moderados, igual número está com sintomas leves e 141 são assintomáticos.

Até à data, 1.900 pessoas perderam a vida por causa da doença.

Vacinação

De acordo com os dados tornados públicos nesta segunda-feira, 4, pela Direcção Nacional de Saúde Pública (DNSP), entre as cinco províncias com o maior número de vacinados o destaque vai para o Uíge, com 945 doses, seguindo-se a Huila com 84, o Kwanza Sul com 81, o Bié com 73 e Malange com 69.

O cumulativo aponta para 17.882.655 doses já administradas em todo o país, com uma taxa de cobertura da população alvo de 56.91 por cento.

O quadro da vacinação em Angola indica uma população alvo de 20.754.946 utentes, do quais 11.811.972 já receberam a primeira dose.

O país tem, também, o registo de 6.140.623 pessoas com as duas doses completas e de 5.629.407 que ainda não receberam, sequer, uma dose.

O número de utentes com a dose de reforço é de 334.466 e 4.079.376 pessoas, que já têm duas vacinas feitas, ainda não receberam o reforço.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG