Links de Acesso

COVID-19: Mais de 280 mil casos diários no mundo inteiro


Unidade de Covid-19 num centro médico de Houston, Texas, 2 julho 2020.

A insatisfação dos cidadãos é geral, um pouco por todo o mundo. Os governos estão a perder o apoio, pela forma como estão a gerir a pandemia.

A pandemia de coronavírus continua a espalhar-se, com mais de 280.000 novos casos diários de contaminação registados na quinta-feira e sexta-feira, números recordes que levam a novas restrições em todo o mundo.

Mais de cinco milhões de novos casos foram declarados oficialmente desde 1 de julho, o que corresponde a mais de um terço dos casos detectados de Covid-19 desde o início da pandemia no final de dezembro.

"Sem medo e com pensamento positivo de que vai dar certo", diz voluntária de vacina testada no Brasil
please wait

No media source currently available

0:00 0:01:51 0:00

Por um período prolongado, a epidemia que matou pelo menos 639.981 pessoas em todo o mundo está a causar um desgaste das populações no que respeita ao apoio do governo em resposta à crise, de acordo com um estudo internacional publicado no sábado pelo gabinete do KekstCNC.

Apenas 35% dos britânicos pesquisados consideram a ação do governo positivamente (-3% em relação a junho).

O apoio às autoridades públicas também está a diminuir nos Estados Unidos, com 44% insatisfeitos (+ 4%) ou no Japão, onde mais de um em cada dois entrevistados (51%) acredita que as autoridades estão a gerir mal a crise.

Os franceses, por outro lado, estão mais satisfeitos (+6 pontos) com a ação do governo, mesmo que permaneçam geralmente insatisfeitos em 41%.

Controlo de viajantes na Europa, restrições para estudantes estrangeiros nos Estados Unidos, uso de máscaras obrigatórias: medidas de saúde contra a epidemia de coronavírus estão a ser retomadas.

Impacto da Covid-19 no turismo das maiores economias do mundo - gráfico de 22 de julho de 2020
Impacto da Covid-19 no turismo das maiores economias do mundo - gráfico de 22 de julho de 2020

- Preocupação na Europa -

Nos Estados Unidos, o país com mais mortes, 145.546 relacionadas à Covid-19, registou mais de 70 mil novos casos na sexta-feira, 24 de julho, além de 1.157 mortes, segundo a contagem da Universidade Johns Hopkins.

O governo de Donald Trump, que, no contexto da pandemia, já suspendeu a emissão de vistos, teve como alvo estudantes estrangeiros na sexta-feira.

Eles não poderão mais entrar nos Estados Unidos se os seus cursos estiverem online, o que pode ser o caso em várias universidades devido ao coronavírus. O país tem quase um milhão de estudantes estrangeiros.

A imposição do uso de máscaras também está a ganhar espaço: o gigante do fast food McDonalds vai forçar todos os seus clientes a usá-las a partir de 1 de agosto.

Na Europa, a epidemia matou 207.599 pessoas em mais de 3 milhões de casos, segundo uma contagem da AFP.

"O recente ressurgimento dos casos da Covid-19 em alguns países após o relaxamento das medidas de distanciamento é certamente um motivo de preocupação", disse uma porta-voz da Organização Mundial de Saúde (OMS) à AFP.

- Números aumentam na Coreia do Sul -

Vários países da região apertaram os controles sobre os viajantes.

França, onde a circulação viral está a "aumentar acentuadamente", segundo as autoridades de saúde, tornou obrigatórios os exames para viajantes que chegam de 16 países, incluindo Estados Unidos e Argélia.

O primeiro-ministro Jean Castex recomendou que os franceses "evitem" viajar para a Catalunha, no nordeste da Espanha, onde o governo ordenou na sexta-feira o encerramento de casas noturnas e bares diante do aumento infecções.

Na Inglaterra, a obrigação de usar a máscara em lojas e supermercados entrou em vigor, já que as piscinas e ginásios devem reabrir no sábado.

Neste sábado, a Coreia do Sul registou um aumento nos casos do novo coronavírus, marcando o seu maior número em quase quatro meses, com 113 novos casos, incluindo 86 pessoas vindas do exterior.

O país foi em fevereiro o segundo mais afetado pela epidemia, depois da China onde havia aparecido. Mas as autoridades sul-coreanas conseguiram controlar a situação por meio de uma estratégia muito completa de testar e rastrear os contactos das pessoas infectadas, sem impor contenção obrigatória.

- Cancelamentos em série -

No Vietname, as autoridades anunciaram no sábado que detectaram o primeiro caso de coronavírus transmitido localmente em quase 100 dias, num país que se orgulha do seu aparente sucesso na luta contra a pandemia com zero mortes.

O campeonato de futebol chinês foi retomado no sábado, após um hiato de cinco meses. Os jogadores respeitaram um minuto simbólico de silêncio em homenagem às vítimas da pandemia, que surgiu em Wuhan na passagem do ano.

Na América Latina, o cancelamento de festividades e eventos desportivos está a aumentar. São Paulo decidiu adiar o seu seno de carnaval.

A situação é particularmente dramática no Peru, onde o sistema de saúde na segunda cidade do país, Arequipa, está totalmente saturado. As pessoas infectadas dormem em tendas fora de hospitais ou nos seus carros, na esperança de conseguir um lugar.

"O mundo está infestado", lamenta Raquel Barrera, uma salvadorenha de 28 anos cujos dois pais morreram de Covid-19, como três dos seus irmãos, em menos de dois meses.

Enquanto isso, o Panamá anunciou que vai desistir de organizar O Mundial Feminino de Futebol Sub-20, que aconteceria no início de 2021, bem como os Jogos Desportivos da América Central e do Caribe em 2022.

AFP

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG