Links de Acesso

Comunidades não beneficiam de recursos da indústria extractiva por falta de conhecimento


Minas de Carvão em Tete/Moçambique

O défice de informação tem colocado as comunidades em desvantagem face aos ganhos que podem obter da actividade e no quadro da responsabilidade social dos investidores.

As comunidades residentes nas zonas circunvizinhas de actividades ligadas à indústria extrativa em Moçambique não têm acesso à Lei do Direito à Informação, o que lhes inibe de tirarem benefícios da exploração dos recursos da suas zonas de origem.

Comunidades não beneficiam de recursos da indústria extractiva por falta de conhecimento
please wait

No media source currently available

0:00 0:02:19 0:00

O défice de informação tem colocado as comunidades em desvantagem face aos ganhos que podem obter da actividade e no quadro da responsabilidade social dos investidores.

A exploração de recursos naturais em Moçambique, particularmente o sector extractivo, tem trazido um conjunto de consequências para as comunidades que vão desde a expropriação das terras ao cultivo, bem como alteração das suas estratégias de sobrevivência entre outras.

"Nós temos andado muito nas zonas aonde há extracção de recursos, Palma, Montepuez e Tete, e há um elemento muito crítico nesses projectos: as consultas comunitárias, que são uma parte importante do projecto, porque é através delas que a comunidade dá uma licença social ao projecto, acomoda, acolhe ou não acolhe o projecto", disse Tomas Vieira Mário, director da organização Sekelekani.

Mário diz que as consultas que têm ocorrido não passam de um mero simulacro, mas insiste que “se a comunidade deve pronunciar-se com certeza e com convicção sobre o projecto”.

Para reverter este cenário, a Liga de Organizações Não Governamentais de Moçambique (Joint) está a implementar um projecto com vista a reduzir a vulnerabilidade das comunidades abrangidas pelas actividades ligadas ao sector.

"É um formato de diálogo tripartido, em que intervêm a comunidade, os investidores e o Governo e é dessa forma que criamos uma ciclo de conhecimento, de inclusão, de abordagem participativas das comunidades, ao mesmo tempo que têm acesso a informação, deveres e direitos", explicou Simão Tila, directora daquela liga.

Esperava-se que, com a entrada em vigor da Lei do Direito à Informação, o acesso à informação verdadeira, completa e em tempo útil fosse facilitada, porém este cenário, segundo a Joint, ainda não se verifica junto das comunidades abrangidas pela indústria extrativa em Moçambique.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG