Links de Acesso

Covid-19 em Moçambique: “A Comissão Técnico-Científica nasceu torta”, Hélder Martins na hora de saída


Dr. Hélder Martins

O ex-ministro da Saúde diz que a Comissão “deve ser para aconselhar o país e não só o Governo”

O antigo ministro da Saúde, Hélder Martins, anunciou a sua saída da Comissão Técnico-Científica para a Prevenção e Combate à Pandemia da COVID-19 em Moçambique, por não concordar com a forma como o órgão está a ser dirigido.

O antigo governante, tido como fundador do Sistema Nacional de Saúde, bate com a porta, onze meses depois de integrar a Comissão, apontando como principal causa a politização do órgão e a não consideração pelo Governo de alguma recomendações técnico-cientificas para o combate à pandemia, que desde 2020 arrasa o país.

"A Comissão Técnico-Científica nasceu torta: Uma Comissão Técnico-Científica não pode ser dirigida por um político, e um ministro, mesmo que muito brilhante médico e académico, no dia em que toma posse como ministro torna-se um político”, escreveu Martins ao presidente Filipe Nyusi.

“Desde o início, houve uma nítida intenção de introduzir factores políticos na gestão da epidemia. Uma epidemia não pode ser gerida por políticos. Mas no início foi dado um benefício da dúvida: Íamos ver se o muito brilhante médico e cientista, que não tinha passado político, era capaz de, umas horas por semana, se esquecer que era Ministro”, detalhou.

Para Martins, o ministro da Saúde, Armindo Tiago, “não teve outro remédio, do que cumprir com desvelo o papel de que foi incumbido e que se esperava dele”.

Uma Comissão técnico-cientifica, “deve ser para aconselhar o país e não só o Governo”, sublinhou Martins, que foi o primeiro ministro da saúde de Moçambique, após a independência em 1975.

Recolher obrigatório

Na carta de renúncia, entregue, no dia 16 do corrente, a Filipe Nyusi, Martins dá alguns exemplos de medidas tomadas sem considerar a perspectiva do grupo, e sugere a responsabilização do Governo pelos danos.

Fronteira Moçambique / África do Sul com tráfego pesado devido à Covid-19
please wait

No media source currently available

0:00 0:01:55 0:00

Uma das medidas, anunciada em Dezembro de 2020, é relativa à reabertura de casinos, bares e barracas de venda de bebidas alcóolicas, próximo da quadra festiva, “o que nunca podia ter merecido o acordo da Comissão se esta tivesse sido ouvida,” escreveu Martins.

O recente recolher obrigatório, entre 21:00 – 04:00 horas, anunciado por Nyusi reflecte a decisão da Comissão, escreveu Martins, que considera “de eficácia altamente discutível (…) e resulta na revolta popular a que estamos a assistir”.

A Comissão havia proposto que o recolher obrigatório fosse entre “as 23 horas e as 4:00h ou 5:00h da manhã, aos fins-de-semana”.

O trabalho vai continuar

Para o ministro da Saúde, Armindo Tiago, que dirige a Comissão, a posição do antigo governante não foi surpresa, pois há algum tempo vinha manifestando a intenção de sair.

Falando a Imprensa, na cidade da Beira, Tiago disse respeitar a posição, contudo, salientou que que o órgão vai continual a trabalhar.

Moçambique testou até agora mais de quatrocentas mil pessoas, tendo cerca de 55.643 testado positivo e 595 perdido a vida. Maior número de mortes é registado desde Janeiro deste ano.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG