Links de Acesso

Cinco mortos em protestos no Myanmar enquanto a junta reprime os críticos online


Manifestantes anti-golpe marcham em Yangon, Myanmar. 3 de Abril 2021

As forças de segurança do Myanmar abriram fogo contra protestos pró-democracia no sábado, matando cinco pessoas, disseram um manifestante e a media local, enquanto os militares reforçavam a sua tentativa de acabar com a dissidência com mandados de prisão para críticos online e bloqueios à Internet.

Apesar da morte de mais de 550 pessoas pelas forças de segurança desde o golpe de 1 de Fevereiro, manifestantes saem todos os dias, ainda que em pequenos grupos, em cidades pequenas, para dar voz à sua oposição à reimposição do regime militar.

Forças de segurança na cidade central de Monywa atiraram contra uma multidão que matou três pessoas, disse o serviço de notícias Myanmar Now, enquanto um homem foi baleado e morto em outra cidade central, Bago, e outro em Thaton ao sul, segundo o jornal online Bago Weekly Journal.

"Eles começaram a atirar sem parar com granadas de atordoamento e tiros reais", disse um manifestante em Monywa, à Reuters, por meio de um aplicativo de mensagens, que pediu para não ser identificado. "As pessoas recuaram e rapidamente ergueram barreiras, mas uma bala atingiu uma pessoa na minha frente. Ela morreu no local."

A Reuters escreve que a polícia e um porta-voz da junta militar não atenderam às suas chamadas pedindo comentários à situação.

O grupo activista Associação de Assistência para Prisioneiros Políticos disse no sábado que as forças de segurança mataram 550 pessoas, 46 delas crianças, desde que os militares derrubaram um governo eleito, liderado por Aung San Suu Kyi.

As manifestações que atraíram dezenas de milhares de pessoas nos primeiros dias de desafio nas grandes cidades pararam em grande parte com os oponentes do golpe adoptando "comícios de guerrilha" - pequenas e rápidas demonstrações de desafio antes que as forças de segurança pudessem responder.

As pessoas também se reúnem à noite para vigílias à luz de velas.

As autoridades estão a fazer uma campanha para controlar a informação. Eles desligaram os dados móveis e na sexta-feira ordenaram que os provedores de Internet cortassem a banda larga wireless, privando a maioria dos clientes do acesso, embora algumas mensagens e fotos ainda estivessem a ser publicadas e compartilhadas nas redes sociais.

As autoridades emitiram mandados para 18 celebridades, incluindo influenciadores das redes sociais e dois jornalistas, ao abrigo de uma lei contra material destinado a fazer com que um membro das forças armadas se amotine ou desrespeite o seu dever, informou a media estatal na noite de sexta-feira.

Todos eles são conhecidos por se oporem ao regime militar. A acusação pode levar a três anos de prisão.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG