Links de Acesso

China e Irão iniciam a implementação de acordo estratégico abrangente


Bandeira da China

A China disse no sábado que começaria a implementar um acordo estratégico com o Irão, fortalecendo a cooperação económica e política entre os dois países, enquanto Pequim criticava as sanções de Washington a Teerão.

A China e o Irão assinaram o acordo no ano passado, após anos de negociações, com a ampla parceria definida para abranger áreas como energia, segurança, infraestrutura e comunicações.

O ministro das Relações Exteriores chinês Wang Yi e seu colega iraniano Hossein Amir-Abdollahian anunciaram o início da implementação da parceria numa reunião em Wuxi, no leste da China, na sexta-feira, disse o Ministério das Relações Exteriores de Pequim em comunicado.

Poucos detalhes do acordo secreto foram publicados, mas o New York Times informou em 2020 que garantiria um fornecimento regular de petróleo para a China, citando um rascunho do acordo vazado para o jornal.

A China é o principal parceiro comercial do Irão e um dos maiores compradores do petróleo do país antes de o então Presidente dos EUA, Donald Trump, reimpor sanções unilaterais abrangentes em 2018.

A China parou oficialmente de importar petróleo do Irão, mas analistas dizem que o petróleo iraniano continua a entrar no país disfarçado de importações de outros países.

Wang disse ao seu homólogo iraniano na sexta-feira que a China continuaria a "opor-se a sanções unilaterais ilegais contra o Irão", disse o Ministério das Relações Exteriores.

Pequim busca há muito tempo aumentar os laços com Teerão, com o Presidente chinês Xi Jinping descrevendo o Irão como "o principal parceiro da China no Médio Oriente" numa rara visita ao país em 2016.

A reunião de Wang e Amir-Abdollahian ocorre enquanto as negociações continuam em Viena sobre um possível acordo para interromper o desenvolvimento de armas nucleares em Teerão.

Um acordo de 2015 - assinado entre Irão, EUA, China, Rússia, Grã-Bretanha, França e Alemanha - ofereceu alívio das sanções a Teerão em troca de restrições ao seu programa nuclear.

Mas os EUA retiraram-se do acordo em 2018, reimpondo sanções mordazes e levando Teerão a voltar atrás nos seus compromissos.

As conversas para salvar o acordo nuclear começaram no final de Novembro, depois de terem sido suspensas quando o Irão elegeu um novo governo ultraconservador em Junho.

Wang disse ao seu homólogo iraniano na sexta-feira que a China acredita que os Estados Unidos são os culpados pelo estado actual do acordo, disse o Ministério das Relações Exteriores no seu comunicado.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG