Links de Acesso

Chega de imigração: PM diz que Grã-Bretanha está em período de ajuste


Primeiro-ministro britânico, Boris Johnson

O primeiro-ministro britânico Boris Johnson disse no domingo que não voltaria à "imigração descontrolada" para resolver as crises de combustível, gás e comida no Natal, sugerindo que tais tensões fazem parte de um período de ajuste pós-Brexit.

No início da sua conferência do Partido Conservador, Johnson foi novamente forçado a defender o seu governo contra reclamações daqueles que não conseguiam gasolina para os seus carros, retalhistas alertando sobre a escassez de Natal e empresas de gás a enfrentar um aumento nos preços nas compras a grosso.

O líder britânico queria usar a conferência para virar a página em mais de 18 meses da COVID-19 e voltar a concentrar-se nas suas promessas eleitorais de 2019 de combater a desigualdade regional, o crime e a assistência social.

Em vez disso, o primeiro-ministro encontra-se em desvantagem nove meses depois que a Grã-Bretanha concluiu a sua saída da União Europeia - uma saída que ele disse daria ao país a liberdade para moldar melhor a sua economia.

"O caminho a seguir para o nosso país não é apenas puxar a grande alavanca marcada pela imigração descontrolada e permitir que um grande número de pessoas trabalhem ... Então, o que eu não farei é voltar ao velho e fracassado modelo de baixos salários, poucas qualificações apoiadas por uma imigração descontrolada", disse ele no programa de Andrew Marr, da BBC.

"Quando as pessoas votaram pela mudança em 2016 e ... novamente em 2019 como fizeram, votaram no fim de um modelo falido da economia do Reino Unido que dependia de baixos salários, baixa qualificação e baixa produtividade crónica, e estamos a afastar-nos disso."

Foi o mais próximo que o primeiro-ministro chegou de admitir que a saída da Grã-Bretanha da UE contribuiu para tensões nas cadeias de abastecimento e na força de trabalho, estendendo-se a tudo, desde a entrega de combustível até a potencial escassez de perus no Natal.

"Haverá um período de adaptação, mas acho que é isso que precisamos ver", disse ele.

Mas ele deixou claro que não abriria as torneiras da imigração para preencher essas lacunas, mais uma vez transferindo para as empresas a responsabilidade de aumentar os salários e atrair mais trabalhadores.

A escassez de trabalhadores após o Brexit e a pandemia de COVID-19 gerou desordem em alguns sectores da economia, interrompendo as entregas de combustível e remédios e obrigando que cem mil suínos ficassem por abater devido à falta de trabalhadores no matadouro.

O presidente do Partido Conservador, Oliver Dowden, disse que o governo está a tomar medidas para contratar mais motoristas de camião em geral e que o governo começou a treinar o pessoal militar dos tanques para iniciar as entregas de combustível na segunda-feira.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG