Links de Acesso

Cabo Verde: Regionalização não pode esperar mais

  • Alvaro Ludgero Andrade

Palácio do Governo

Protestos de Mindelo colocam tema no centro do debate

Milhares de pessoas saíram nesta quarta-feira, 5 de Julho, às ruas em Mindelo, a segunda mais importante cidade cabo-verdiana, para protestar contra o que consideram ser o centralismo no poder na capital do país e mudanças no sistema de Governo.

Multiplicam-se, cada vez mais, os pedidos de uma reforma do Estado com uma uma nova forma de organização do Estado e de gestão de um país pequeno, arquipelágico e pobre.

Analistas ouvidos pela VOA dizem que o país não pode adiar mais esta discussão.

Os protestos de Mindelo realizados no dia em que se assinalou o 42o. aniversário da independência do país, podem ser mais do que um simples descontentamento, mas uma realidade que está a atingir todo o país, como diz o antigo ministro da Economia, Crescimento e Competitividade, Avelino Bonifácio Lopes.

Avelino Bonifácio Lopes
Avelino Bonifácio Lopes

“O regionalismo de certo modo salutar e um bairrismo exagerado que sempre existiu entre as cidades da Praia e Mindelo neste momento ganham contornos bem mais preocupantes", considera Lopes, para quem "é uma questão que ultrapassa de longe a disputa entre Mindelo e Praia, que tende a cimentar-me em todo o território nacional".

Na verdade o debate está lançado e os gritos surgem de todos os cantos.

Alexandre Novais, antigo deputado e promotor de um abaixo-assinado contra a construção do campus da Universidade de Cabo Verde apenas na capital, afirma que a atenção dada à capital nos primeiros anos após a Independência era compreensível, mas agora a situação é bem diferente.

"As assimetrias são hoje gritantes e ninguém, num jovem país e moderno como Cabo Verde, fica contente com esta situação porque as expectativas são outras, os objectivos do desenvolvimento do país são diferentes, as reivindicações são claras e regressam sempre a cada eleição, do cidadão comum às elites académicas", explica Novais.

Para aquele arquitecto e empresário, há muito que as pessoas desejam "uma organização do Estado de Cabo Verde que coadune com a nossa realidade de país arquipelágico, que tenha em conta a nossa fragmentação e insularidade".

Alexandre Novais
Alexandre Novais

Regionalização já

Tanto Lopes como Novais consideram que "a regionalização não pode esperar mais""O país precisa de ser regionalizado, política e administrativamente, e necessita de um diálogo abrangente, descomplexado, sem tabus, sem demagogias e com todos, com vista a encontrar as melhores soluções, os melhores modelos que não têm forçosamente de ser copiados, mas até podemos criar novos modelos", explica Alexandre Novais.

Enquanto o debate decorre, o antigo deputado e empresário propõe que se avance com a descentralização administrativa "que devia ter sido feita há muito tempo porque a Constituição já a permite".

Responsabilização dos políticos

Tal como vários observadores, o antigo governante e empresário Avelino Bonifácio Lopes aponta o dedo também à classe política que, segundo ele, "como se viu na última campanha eleitoral promete o que o país não pode dar, transmitindo às pessoas que tudo é fácil".

Neste aspecto, Lopes defende ser urgente "repensar a forma de governação, num país que é simultaneamente pequeno e fragamentado, mas ao mesmo tempo com pessoas muito bem informadas e muito exigentes".

No conversa com a VOA, ambos destacam que a regionalização deve ser profundamente discutida, de forma séria e numa óptica de partilha entre todos os espaços do território nacional.

(A VOA apresenta na rubrica Agenda Africana do dia 12 de Julho um programa alargado sobre este tema)

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG