Links de Acesso

Brasileiros chocados com assassinato de vereadora pedem justiça


Milhares honram memória de Michelle Franco

Assassinato de Marielle Franco é apontado como "execução política"

O assassinato da vereadora Marielle Franco, do PSOL do Rio de Janeiro, na quinhta-feira, 15, causou comoção no Brasil e no mundo.

Protestos aconteceram em pelo menos 13 cidades brasileiras, em Lisboa e em Nova Iorque.

Brasileiros chocados com a morte de vereadora pedem justiça - 2:56
please wait

No media source currently available

0:00 0:02:56 0:00

Familiares e amigos da vereadora não duvidam de que o crime se trata de uma execução e uma tentativa de calar a voz de Marielle.

Ela era defensora dos direitos humanos e uma das vozes mais críticas à intervenção federal na segurança do Rio de Janeiro.

O deputado estadual Marcelo Freixo, do PSOL, com quem Marielle trabalhou como assessora por mais de 10 anos, afirmou que o Brasil perdeu uma "pessoa extraordinária brutalmente assassinada".

Brasileiros saíram às ruas
Brasileiros saíram às ruas

O Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos classificou como “profundamente chocante” o assassinato de Marielle e pediu que as autoridades façam uma investigação completa e transparente do caso.

Organizações de defesa dos direitos humanos, como a Amnistia Internacional e a Human Rights Watch também pediram uma investigação rigorosa.

O porta-voz do partido Podemos, da Espanha, Miguel Urbán, condenou o assassinato da vereadora no Parlamento Europeu e pediu que a União Europeia suspenda as negociações para um acordo econômico com o Mercosul.

Lula e Temer também

Em entrevista a uma rádio em Salvador, na Bahia, o ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva condenou a falta de segurança no Rio de Janeiro e pediu que as autoridades prestem conta à sociedade mostrando os culpados.

O Presidente Michel Temer lamentou a morte da vereadora e disse que a intervenção federal no Rio de Janeiro foi feita para evitar mortes como essa.

Em entrevista à Revista Carta Capital, o presidente nacional do PSOL, Juliano Medeiros, afirmou que o partido não vai aceitar que Temer use a morte da vereadora para justificar a intervenção federal no Estado.

A vereadora era relatora da Comissão da Câmara de Vereadores criada para acompanhar a presença dos militares na capital fluminense e vinha criticando a actuação violenta da Polícia Militar nas favelas cariocas.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG