Links de Acesso

Brasil: Crise politica pode também ter lado bom, dizem analistas

  • Patrick Vaz

No entanto, dependendo da forma como as lideranças reagirem o jogo pode virar, diz o cientista político Paulo Diniz.

O momento político difícil do Brasil pode acabar sendo positivo para a imagem do país, por mostrar que instituições fiscalizadoras e contra a corrupção funcionam.

No entanto, dependendo da forma como as lideranças reagirem o jogo pode virar, diz o cientista político Paulo Diniz.

“É interessante perceber que cada país do mundo vai enxergar o Brasil com a sua perspectiva. Países que têm instituições mais sólidas e com o funcionamento mais estabelecido vão perceber no Brasil a forma como as nossas instituições estão processando esses escândalos e lidando com as denúncias e, enfim, trazendo essas informações à tona. Acredito que no médio prazo teremos um ganho considerável na nossa imagem”, disse.

O especialista entende que a convocação das Forças Armadas para conter manifestantes, como a que fez o presidente Michel Temer, semana passada, pode ter um impacto muito negativo, mostrando que o Brasil não sabe lidar de forma pacífica e democrática.

“Estamos entrando numa zona cinzenta. Na medida em que houve uma transição de governo no ano passado, passamos o momento de instabilidade e agora novamente estamos entrando noutro momento de tensão com o segundo presidente ameaçado a cair dentro do mesmo mandato," disse.

Ele explicou que "isso é complicado, porque mostra uma certa instabilidade política e estamos falando de um evento que ainda não se desenrolou. Seria negativa essa transição, a forma como ela se dará. Se os trâmites constitucionais forem obedecidos à risca, acho que o Brasil tem a crescer sua imagem política no mundo. Por outro lado, se não for dessa forma a gente tem muito a perder”.

Paulo Diniz ainda vê uma provável eleição diretca, mesmo não sendo prevista na constituição brasileira neste momento, a possibilidade de algum parlamentar desconhecido conseguir chegar à presidência em função do agravamento da crise política.

“O Brasil passa por um momento de transição e inflamação e propor uma reforma constitucional para convocar uma eleição direta nesse clima de polarização extrema poderia gerar um resultado imprevisível. Uma figura completamente fora da estabilidade poderia arrebatar o poder neste momento. Temos que considerar também que essa é uma proposta fora do que a Constituição de 1988 prevê. Na medida em que a gente manter aquilo que está previsto nos últimos quase 30 anos acredito que a gente tem a crescer”, concluiu.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG