Links de Acesso

Bolsonaro afasta ministro que entrou em choque com o filho dele


Demissão pode gerar crise entre aliados no congresso

O Presidente brasileiro Jair Bolsonaro assinou o decreto da demissão do ministro da Secretaria-Geral da Pesidência, Gustavo Bebiano, e convidou o general da reserva Floriano Peixoto para assumir interinamente lugar, revelou nesta segunda-feira, 18, o jornal Estado de São Paulo.

O decreto deve ser publicano ainda hoje.

Bebiano, antigo presidente do PSL e responsável pela campanha de Bolsonaro, cai após entrar em conflito com o filho do Presidente, o vereador do Rio de Janeiro, Carlos Bolsonaro.

Peixoto é o oitavo militar no Governo e três dos quatro homens do exército que despacham diariamente com o Presidente, contra apenas um civil.

A escolha de Floriano Peixoto tem o apoio do Chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni.

Interlocutores do Presidente relataram àquele jornal que Bebianno perdeu a confiança de continuar no cargo após chegar a Bolsonaro a informação de que ele terá divulgado mensagens de áudio com ordens que recebeu dele.

A estratégia, ainda de acordo com próximos do Presidente, pretendia contestar a versão de Carlos Bolsonaro de que o ministro e o pai não se falaram enquanto ele estava internado no Hospital Albert Einstein.

Por ter afirmado ao jornal O Globo que havia conversado três vezes com Bolsonaro, Carlos Bolsonaro o chamou de mentiroso.

Antes disso, o nome de Bebianno foi citado num esquema de desvio de dinheiro do Fundo Partidário do PSL, o que ele nega.

No momento em que a demissão de Bebiano pode abrir uma crise no Governo, que tem importantes projectos de lei para aprovar num congresso em que a sua maioria depende de muitas ajustes com diferentes partidos, o Blog do Camarotti, do Globo, revela que o antigo presidente do PSL demonstrou profundo arrependimento em ter trabalhado activamente pela eleição de Bolsonaro.

"Preciso pedir desculpas ao Brasil por ter viabilizado a candidatura de Bolsonaro. Nunca imaginei que ele seria um presidente tão fraco", disse Bebianno a um aliado, numa referência à influência dos filhos do Presidente no rumo do Governo, especialmente o vereador Carlos Bolsonaro.

Nessas mesmas conversas, Bebianno demonstra preocupação com o efeito desse protagonismo familiar nas decisões do país e reconhece que o Governo Bolsonaro precisa descer do palanque para administrar o Executivo.

Para aliados de Bebianno, também causou contrariedade o movimento da família Bolsonaro para pedir a saída do ministro.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG