Links de Acesso

Biden insta Putin a desescalar as tensões ucranianas


Nesta imagem fornecida pela Casa Branca, o Presidente Joe Biden conversa ao telefone com o presidente russo Vladimir Putin a partir da sua residência privada em Wilmington, Delaware (30 Dezembro 2021) (Adam Schultz/The White House via AP)

Um alto funcionário da administração disse que o Presidente Vladimir Putin não fez promessas concretas sobre as dezenas de milhares de tropas russas que se encontram ao longo da fronteira ucraniana.

Biden "deixou claro que os Estados Unidos e os seus aliados e parceiros responderão de forma decisiva se a Rússia continuar a invadir a Ucrânia", disse a secretária de imprensa Jen Psaki numa declaração.

Psaki disse que as duas nações participarão em três rondas de conversações separadas no próximo mês: primeiro através de conversações bilaterais agendadas para 10 de Janeiro, e depois em duas rondas de conversações multipartidárias com o Conselho NATO-Rússia, e na Organização para a Segurança e Cooperação na Europa.

"O Presidente Biden reiterou que os progressos substanciais nestes diálogos só podem ocorrer num ambiente de desescalada e não de escalada", acrescentou ela.

Desde há meses, Putin tem vindo a colocar tropas ao longo da fronteira Rússia-Ucrânia. Funcionários dos serviços secretos dos EUA estimaram, a partir de fotografias de satélite, que cerca de 100.000 tropas se encontram na área. Entretanto, a Ucrânia tem vindo a construir as suas próprias defesas no seu lado da fronteira.

Durante anos, o ex-estado soviético tem procurado entrar na Organização do Tratado do Atlântico Norte, juntamente com os EUA e outras nações ocidentais. A Rússia opõe-se fortemente a essa adesão.

O conselheiro de política externa de Putin, Yuri Ushakov, disse que o Kremlin estava satisfeito com as conversações, mas também disse que Putin pressionou Biden para resultados concretos nas próximas conversações de segurança. As exigências da Rússia incluem que a NATO negue a adesão à Ucrânia e que a aliança de segurança reduza os seus destacamentos na Europa Central e Oriental. Os funcionários da Casa Branca recusaram-se a discutir os seus termos publicamente.

Esta é a segunda vez este mês que os dois homens têm mantido conversações directas. Segundo Leon Aron, um analista do American Enterprise Institute, é a oitava vez que os líderes norte-americanos e russos se encontram num ano. Isto, disse ele, é "um recorde em toda a história das relações EUA-Rússia e EUA-União Soviética".

“Se ele (Putin) está a fazer bluff, então é um bluff muito grave”

Os funcionários da administração Biden disseram que Biden e Putin tiveram uma discussão "séria e substantiva". Mas um alto funcionário da administração disse que Putin não fez "declarações sobre as intenções". Funcionários de alto nível dos dois paíse reunir-se-ão novamente a 10 de Janeiro em Genebra, sem a presença dos dois presidentes.

Embora os analistas pareçam duvidar que Putin invadirá a Ucrânia, receiam que dezenas de milhares de tropas prontas para a batalha na região possam acidental ou intencionalmente desencadear uma guerra.

"Se ele está a fazer bluff, então é um bluff muito grave, que implica riscos particulares para Putin, porque ele tem de se certificar de que 100.000 tropas, mais, estão ocupadas e prontas - mas não tomando eles próprios a iniciativa antes de ser dada uma ordem", disse Will Pomeranz, vice-director do Instituto Kennan do Centro Wilson. "Portanto, penso que é simplesmente uma situação que está repleta de perigos em ambos os lados".

A Casa Branca tem dito repetidamente que haverá "consequências significativas" se a Rússia invadir, incluindo duras sanções económicas e um maior apoio à segurança na Ucrânia. O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskiy, tweeted quarta-feira que o Secretário de Estado norte-americano Antony Blinken prometeu "apoio total (dos EUA) à (Ucrânia) na luta contra a agressão russa".

"Ambos os presidentes estão essencialmente encostados à parede", disse Aron à VOA.

O ultimato de Putin já não é a expansão da NATO, a retirada das tropas da NATO do Báltico e, mais importante ainda, a promessa de nunca ter a Ucrânia dentro da NATO. Essencialmente, em todos estes três, Biden disse, "não". Então a questão é, será que vão chegar a algum tipo de compromisso?".

E, como muitos analistas, ele afirma que Putin está a posturar, projectando força antes das eleições chave dentro de dois anos.

"Putin cria com sucesso um sentimento de emergência, se repararmos que a linguagem é quase a mesma: está prestes a iniciar uma guerra, está prestes a invadir a Ucrânia", disse ele. "E, aparentemente, a Casa Branca vai em frente". Eu não o faria, porque, escrevi, e também falei sobre isto, Putin não vai invadir a Ucrânia neste momento. Ele está a falar para o seu público interno. E tudo isto é uma parte do jogo que Putin está a jogar, e penso que continuará a jogar pelo menos até às suas eleições em 2024".

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG