Links de Acesso

Biden anuncia novo plano de seis pontos para combater o coronavirus


President eJoe Biden discursando a partir do Salão Oval da Casa Branca, 9 de Setembro de 2021.

Num discurso à nação, Biden detalha novos esforços para combater o surto de infecções e mortes por coronavírus

O Presidente dos EUA Joe Biden anunciou na quinta-feira à noite um novo plano de seis pontos para combater o surto nas últimas semanas de casos e mortes devido à variante delta do vírus corona, incluindo mandatos generalizados de vacina e outras medidas.

Biden ordenou que 2,5 milhões de trabalhadores e empreiteiros federais, trabalhadores na maioria dos hospitais e estabelecimentos de saúde, e qualquer empregado de uma empresa com mais de 100 trabalhadores sejam vacinados contra o coronavírus como parte de um novo esforço para controlar a doença infecciosa.

Os empregados de grandes empresas privadas podem optar por testes semanais para o vírus em vez de serem vacinados, mas a nova ordem elimina essa opção para os trabalhadores federais.

Algumas empresas já estão a exigir que os seus trabalhadores sejam vacinados ou percam os seus empregos.

"Se quiserem trabalhar com o governo federal ou fazer negócios connosco, vacinem-se", disse Biden num discurso na quinta-feira à noite, sublinhando que queria proteger os trabalhadores americanos vacinados de colegas de trabalho potencialmente não vacinados.

Biden anunciou também que o Departamento do Trabalho exigiria às empresas relevantes que concedessem aos seus empregados tempo livre pago para receberem a vacina.

Não ficou imediatamente claro se a ordem de Biden abrangendo trabalhadores federais e empreiteiros permitiria excepções para aqueles que procurem isenções religiosas ou médicas da vacinação.

O presidente também explicitou novos esforços para persuadir os americanos não vacinados a serem inoculados, proteger aqueles já vacinados com vacinas de reforço nas próximas semanas, manter as escolas abertas, aumentar os testes e exigir máscaras faciais em algumas situações, fazer avançar a recuperação económica e melhorar os cuidados para aqueles que contraíram COVID-19, a doença causada pelo vírus.

O presidente anunciou mais apoio às pequenas empresas ao permitir que mais delas tenham acesso a empréstimos a baixo custo. Disse também que a Administração das Pequenas Empresas está a racionalizar o processo de perdão de empréstimos e a lançar um programa para ajudar aqueles que se encontram em áreas mal servidas a ligarem-se melhor aos recursos federais, estatais e locais.

O último surto de casos e mortes de coronavírus nos EUA é sobretudo entre aqueles que não estão vacinados, embora tenha havido algumas infecções entre aqueles que foram vacinados há meses.

"Esta é uma pandemia de não vacinados", disse Biden na quinta-feira, observando que cerca de um quarto dos americanos permanecem não vacinados.

"Que 25% podem causar muitos danos, e estão", acrescentou Biden, apontando para hospitais e unidades de cuidados intensivos sobrelotados em todo o país.

O último surto levou os hospitais e os profissionais de saúde em todos os EUA a um ponto de ruptura, com algumas unidades de cuidados intensivos lotadas até à capacidade com doentes da COVID-19.

Mais de 177 milhões de pessoas da população de 332 milhões foram vacinadas, mas as vacinas ainda não foram aprovadas pelos reguladores de saúde federais para crianças com menos de 12 anos de idade.

Mais de 62% da população de 12 e mais anos foi vacinada, mas cerca de 150.000 novos casos de COVID-19 estão a ser registados todos os, dias ao longo dias últimas semanas e cerca de 1.000 pessoas morrem por dia.

Por uma variedade de razões, tais como a crença de que não irão apanhar o vírus ou uma alegação de que ninguém deveria poder exigir que fossem vacinados, milhões de americanos permanecem não vacinados.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG