Links de Acesso

Assassinatos em Cabo Delgado requerem cautela, diz Muhamad Yassine


Muhamad Yassine

Nas últimas duas semanas, pelo menos, 17 pessoas foram mortas em Palma e Macomia. Dez delas foram decapitadas. Dezenas de casas foram incendiadas.

Os ataques em Cabo Delgado, norte de Moçambique, “parecem cirúrgicos, até têm um controlo sobre o dano colateral que se faz”, afirma o especialista em relações internacionais, Muhamad Yassine.

Para sustentar a sua afirmação, Yassine diz que recorre “a uma teoria de relações internacionais que é brincar de terrorismo fazendo política”.

Nas últimas duas semanas, pelo menos, 17 pessoas foram mortas em Palma e Macomia. Dez delas foram decapitadas. Dezenas de casas foram incendiadas.

Os ataques tiveram início em outubro de 2017. As autoridades policiais moçambicanas, repetidas vezes, prometeram aniquilar o grupo mentor.

O cenário de Cabo Delgado, diz Yassine, em exclusivo à VOA, leva a “entender que não sejam ataques feitos por pessoas não ligadas ao sistema de segurança de estado”.

E “se esta teoria não vingar, é importante perguntar ao Estado ´onde está a polícia que, por norma, encontra-se nos distritos e consegue repelir manifestações da oposição´?”.

Quanto ao facto de os atacantes serem, muitas vezes, associados à religião, Yassine adverte que "podemos ter um terrorista que diz ser muçulmano, mas isso não é terrorismo islâmico"

O também deputado da Renamo condena o facto de o Conselho de Ministros e o presidente da República não terem feito nenhum pronunciamento aos recentes ataques.

Acompanhe o programa Agenda Africana:

Assassinatos em Cabo Delgado requerem cautela, diz Muhamad Yassine
please wait

No media source currently available

0:00 0:17:33 0:00

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG