Links de Acesso

Arménia e Azerbaijão trocam novas acusações de bombardeio de Karabakh


Um homem olha para um carro queimado, que foi atingido por um bombardeio durante o conflito militar na região separatista de Nagorno-Karabakh, na cidade de Barda, Azerbaijão, 28 de outubro de 2020

Arménia e Azerbaijão voltaram a acusar-se mutuamente de bombardear áreas residenciais no sábado 31 de outubro, desafiando um pacto para evitar o ataque deliberado de civis dentro e ao redor do enclave de Nagorno-Karabakh.

O bombardeio foi relatado por ambos os lados horas após o último acordo para acalmar o conflito, alcançado após negociações em Genebra entre os dois países.

O acordo com os co-presidentes do Grupo OSCE de Minsk ficou aquém do que teria sido o quarto cessar-fogo desde o início dos combates em 27 de setembro. O número de mortos nos piores combates no sul do Cáucaso em mais de 25 anos ultrapassou mil e é possivelmente muito mais alto.

Nagorno-Karabakh é internacionalmente reconhecido como parte do Azerbaijão, mas é povoado e controlado por arménios étnicos.

Cerca de 30.000 pessoas foram mortas numa guerra de 1991-94 na região.

O Serviço de Emergência e Resgate de Nagorno-Karabakh disse que o mercado central em Stepanakert, a maior cidade do enclave, foi atacado e que grande parte dele foi queimado.

O ministério da defesa da Armênia disse que vários civis foram feridos em ataques na cidade de Shushi, 15 km (9 milhas) ao sul, enquanto um investigador dos direitos humanos em Nagorno-Karabakh disse que um civil na região de Martuni morreu quando um tiro atingiu sua casa .

O Ministério da Defesa do Azerbaijão negou essas acusações. Ele disse que as regiões de Terter, Aghdam e Aghjabedi foram alvo de fogo de artilharia, assim como Gubadli, uma cidade entre o enclave e a fronteira iraniana que foi tomada por tropas azeris nesta semana.

Os avanços recentes do Azerbaijão no campo de batalha, que também se estendem a sete regiões vizinhas, reduziram seu incentivo para chegar a um acordo de paz duradouro e complicaram os esforços internacionais para intermediar uma trégua.

O conflito também destacou o aumento da influência da Turquia, um aliado do Azerbaijão, numa ex-região soviética considerada pela Rússia como pertencente à sua esfera de influência. A Rússia também tem uma aliança de segurança com a Armênia.

Em resposta a um pedido do primeiro-ministro arménio Nikol Pashinyan para delinear a extensão do apoio de Moscovo, o Ministério das Relações Exteriores da Rússia disse que forneceria "toda a assistência necessária" caso o conflito se espalhe para "o território da Arménia" - que está fora da zona de conflito atual.

O exército de Nagorno-Karabakh diz que 1.166 de seus soldados foram mortos desde 27 de setembro. O Azerbaijão, que não divulga as suas baixas militares, atualizou o seu número de civis mortos para 91.

A Rússia estimou até cinco mil mortes em ambos os lados.

Reuters/ Nvard Hovhannisyan e Nailia Bagirova

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG