Links de Acesso

Angola: Pagamento de propinas no ensino privado abre debate


O pagamento de propinas durante o estado de emergência em Angola, em que não há aulas, provoca leituras diferentes.

Enquanto a Associação Nacional do Ensino Particular defende o pagamento de propinas, o Movimento dos Estudantes Angolanos (MEA) apela aos pais e encarregados de educação a não o fazerem, mas sim o Governo.

António Pacavira, presidente da Associação Nacional do Ensino Particular, diz ser importante que os professores não sejam esquecidos.

“O decreto que institui o estado de emergencia obriga a manter os empregos e manter os salários, nós temos que pagar os impostos, então por que as pessoas querem excluir os professores e querem aproveitar a ocasião para não pagarem as propinas”, questiona Pacavira.

Opinião contrária tem Francisco Teixeira, presidente do MEA, quem apela aos pais e encarregados de educação a não pagarem as propinas, enquanto responsabiliza o Governo a pagar os salários.

“Quem deve assumir o pagamento dos professores deve ser o Estado e não os estudantes que não estudaram”, sustenta Teixeira, que diz ter escrito uma carta ao “camarada Presidente da República para que meta ordem neste circo”.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG