Links de Acesso

Analistas e activistas defendem julgamento de Manuel Chang nos Estados Unidos


Tribunal Supremo de Joanesburgo começa a analisar extradição do antigo ministro no dia 16

O Tribunal Supremo de Joannesburgo deverá analisar, a partir da próxima quarta-feira, 16, o caso do antigo ministro moçambicano das Finanças, Manuel Chang, que se encontra detido na África do Sul desde Dezembro, a pedido da justiça norte-americana, que pretende que o antigo governante seja extraditado para os Estados Unidos.

Em causa, o seu papel como pivot no caso dívidas ocultas.

Alguns sectores da sociedade defendem ser fundamental que este assunto vá até às últimas consequências.

Há cerca de uma semana, o Fórum de Monitoria do Orçamento (FMO), uma plataforma da sociedade civil moçambicana, submeteu ao Tribunal Supremo de Gauteng, na África do Sul, as suas alegações contra a pretensão das autoridades moçambicanas de extraditar Manuel Chang para Moçambique.

Ministro dos Negócios Estrangeiros de Moçambique comenta caso Chang
please wait

No media source currently available

0:00 0:01:18 0:00

Para aquela organização, só a justiça americana é que pode julgar Chang pelo crime que cometeu contra os moçambicanos.

Por outro lado, no dia 30 de Setembro, o FMO escreveu ao procurador Richard Donoghue, do Tribunal de Brooklyn, solicitando todas as provas e evidências sobre o possivel envolvimento de Jean Boustani, no escândalo das dívidas ocultas.

Entende aquela organização que a disponibilização das provas vai ajudar os moçambicanos a terem uma compreensão cabal sobre as alegações de corrupção levantadas contra funcionários moçambicanos e aqueles com quem fizeram o negócio.

"A sociedade moçambicana está expectante; este é um assunto que deve ser investigado até às últimas consequências", defende o analista político Sande Carmona.

Por seu turno, o político Raúl Domingos diz que um julgamento justo e transparente do caso Chang só pode ser feito nos Estados Unidos da América.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG