Links de Acesso

Analistas "duvidam" do plano de João Lourenço para a agricultura

  • Manuel José

Plano foi lançado no Huambo

O Presidente angolano anunciou no Huambo, na terça-feira, 11, o seu plano para relançar a agricultura, propondo substituir as importações pela produção nacional.

Lourenço defendeu também retirar as terras a quem não as trabalha e redistribui-las aos agricultores e, assim, impulsionar a diversificação da economia nacional.

Alguns especialistas ouvidos pela VOA consideram utópico o plano de Joao Lourenco.

"Pensar que o camponês é proprietário de uma parcela de terra por lhe darem um titulo é utópico porque o titulo de propriedade de terra que conta é a do rico que está nas cidades”, diz o jurista Pedro Caparacata, lembrando que o titular das terras “é o próprio governante".

O jurista afirma que quem possui terra e não a trabalha são os governantes e seus colaboradores, que esperam por parceiros libaneses, americanos e franceses.

Capacarata considera ainda que o Presidente não vai poder implementar esse plano.

Bernardo de Castro, mestre em adaptação climática e director da associação Rede Terra, diz que enquanto não se fizerem alguns estudos prioritários, tudo o resto que se decidir para o sector da agricultura não passará de mera retorica.

"O mais importante neste momento, mais do que se pensar em titularidade de terras, tendo em conta que 32 por cento do nosso território está sob risco climático e os nossos solos são essencialmente arenosos e susceptíveis à degradação, será a elaboração de politicas mais vigilantes face aos factores de risco e às vulnerabilidades do sector da agricultura”, explica Castro, lembrando que o país, por exemplo, “não tem uma política nacional de terra, nem uma política sobre os agrotóxicos.

Refira-se que João Lourenço desafiou os empresários e trabalhadores do sector a produziram dois milhões de toneladas de cereais, visando substituir as importações pela produção nacional.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG