Links de Acesso

Analistas defendem inclusão da sociedade civil nas negociações em Moçambique

  • Ramos Miguel

Dhlakama e Nyusi ainda sem data de novo encontro

Observadores consideram que Frpaz não diz respeito apenas à Frelimo e Renamo.

Analistas saúdam o consenso alcançado entre Filipe Nyusi e Afonso Dhlakama sobre a criação de grupos de trabalho para discutirem assuntos militares e de descentralização, mas alertam que a paz não será efectiva se o diálogo não envolver a sociedade civil.

Eles dizem que os assuntos em cima da mesa não se referem apenas à Frelimo e à Renamo.

Vários representantes de organizações da sociedade civil têm acusado o Governo moçambicano e a Renamo de serem intransigentes quanto à inclusão, no diálogo político, de outras forças vivas da sociedade, considerando que isso não garante uma paz perene.

Na passada sexta-feira, o Presidente moçambicano e o líder da Renamo anunciaram a criação de dois grupos especializados para debaterem assuntos militares e a descentralização, que ficaram pendentes no anterior diálogo político.

Para alguns analistas, o debate sobre estas questões, sobretudo o relacionado com a descentralização, deve ser mais abrangente "porque não parece que seja apenas uma questão da Renamo e do Governo, é um assunto que diz respeito à sociedade moçambicana".

De acordo com os mesmos analistas, "cabe às organizações da sociedade civil apresentarem, de maneira concreta, ao Governo e à Renamo, as suas propostas com vista à sua participação nos esforços para a busca de paz para o paÍs".

Um pouco por todo o território moçambicano, as pessoas dizem-se satisfeitas com os recentes desenvolvimentos políticos.

No Niassa, por exemplo, o empresariado local diz que aumentaram as oportunidades de negócios naquela província.

A sua Opinião

Mostrar Comentários

XS
SM
MD
LG