Links de Acesso

Amnistia Internacional diz que libertação de José Marcos Mavungo peca por tardia


Amnistia Internacional

Director para África Austral considera que sentença do Tribunal Supremo mostra que há juízes que obedecem a lei.

A Amnistia Internacional (AI) celebrou a libertação nesta sexta-feira, 20, do activista angolano José Marcos Mavungo, mas considerou que a decisão do Tribunal Supremo “pecou por tardia”.

“Ele passou mais de um ano preso, a 14 de Março de 2015 e foi condenado a 14 de Setembro por rebelião pelo seu envolvimento na organização de uma manifestação pacífica, e a Amnistia Internacional o considerou um prisioneiro de consciência”, disse Deprose Muchena, director da Amnistia Internacional para a África Austral.

Deprose Muchena
Deprose Muchena

Para a AI, apesar de “a sua libertação ser motivo de celebração, José Marcos Mavungo nunca deveria ter passado um único minuto na cadeia e a decisão do Tribunal Supremo de Angola demonstra que ainda há juízes que se guiam pela lei".

Muchena lembra que Mavungo apenas exerceu o seu direito à liberdade de reunião e de associação e, por esse facto, “a sua prisão e subsequente julgamento sob a acusação de rebelião é uma brincadeira da justiça”.

José Marcos Mavungo, de 52 anos de idade, foi detido a 14 de Março de 2015 à saída da missa em Cabinda sem mandado de captura, no dia em que estava convocada uma manifestação para denunciar as violações de Direitos Humanos e a má governação na província.

Em Setembro do ano passado, Mavungo foi condenado a seis anos de prisão pelo Tribunal Provincial de Cabinda pelos crimes de incitação à rebelião e à violência, acrescidos de uma multa de 50 mil kwanzas de taxas de justiça.

Ontem, 18, em plenário, o Tribunal Supremo concluiu não existirem factos concretos relativamente aos crimes dos quais foi acusado.

XS
SM
MD
LG