Links de Acesso

Acusados do assassinado do adolescente angolano Rufino constituídos arguidos

  • Manuel José

Pai de Rufino Fernando António espera justiça

Quatro militares processados, dos quais um encontra-se preso, na morte do adolescente em 2016 durante demolições no Zango

O Ministério Público angolano formalizou a acusação contra quatro militares, dos quais um já se encontra detido, pelo assassinato do adolescente Rufino Fernandes António em Agosto de 2016, quando se opunha à demolição da sua casa no município do Zango, em Luanda.

O advogado dos familiares de Rufino disse que o julgamento deve começar em breve.

O processo arrasta-se desde Agosto do ano passado quando Rufino foi assassinado a queima-roupa no bairro Walale, no Zango, arredores de Luanda, por militares afectos à PCU, coordenados pelo general Simao Wala.

Depois de várias pressões dos advogados da família de Rufino, os quatro militares indiciados do crime foram constituídos arguidos e um deles inclusive já se encontra detido, pelo facto de ter sido reconhecido pelos familiares, presentes na reconstituição do crime.

“Aguardamos a qualquer momento a acusação porque em termos de instrução preparatória já foram cumpridas todas as fases", revela o advogado dos familiares.

Luís Nascimento justifica aprisão de apenas um por ter sido identificado como o autor dos disparos que assassinou Rufino.

“Agora, como arguidos, os prazos são mais limitados e esperamos a qualquer instante que haja a acusação", estima Nascimento.

Na acção de demolição das casas no Zango, em Agosto de 2016, além de Rufino António, que tinha 14 anos na altura, foi morto um bebé.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG