Links de Acesso

ACNUR alerta que Angola pode receber até 30 mil refugiados congoleses


Refugiados congoleses no centro de Mussungue, no Dundo.

Conflito em Kasai provoca saída de pessoas para Angola

O número de refugiados provenientes da República Democrática do Congo (RDC) em Angola aumentou para 16 mil, revelou o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR).

Desse total, quatro mil são crianças e muitas delas chegam aos campos de refugiados com febre, diarreia e malária.

Fontes da VOA indicam que nas últimas 48 horas sete crianças morreram nos campos de Mussungue e Kikanga.

ACNUR alerta que Angola pode receber até 30 mil refugiados congoleses - 2:20
please wait

No media source currently available

0:00 0:02:17 0:00

A situação piora diariamente com a entrada de 300 a 400 refugiados que fogem aos conflitos na RDC.

“As condições dos campos de refugiados são extremamente pobres, as tendas não são suficientes para acomodar os refugiados e muitos ficam ao ar livre em época de chuvas. Não há instalações sanitárias e precisam de água, acomodação e alimentos”, disse à VOA nesta quarta-feira, 3, Markkus Aikomus, porta-voz do ACNUR para África, com sede em Pretória

O ACNUR pediu ao Governo que reinstale os refugiados a pelo menos 50 quilómetros da fronteira, onde acontece os conflitos e o Executivo de Angola está a fazer isso.

Aikomus garantiu que a agência da ONU “tem uma boa cooperação com o Governo de Angola, a nível nacional, mas também a nível local”.

O ACNUR, que enviou já dois aviões com bens e equipamentos para ajudar os refugiados na Lunda Norte, começou a distribuir comida e água para os próximos 15 dias, além de disponibilizar tendas aos refugiados.

“Estamos a ajudar o Governo angolano a registar aqueles que procuram asilo como forma também de identificar pessoas com necessidades específicas e, no terreno, trabalhamos com nossos parceiros, UNICEF e Médicos Sem Fronteiras, que basicamente garantem a assistência médica”, adiantou Markkus Aikomus.

Com o agudizar do conflito na RDC, particularmente em Kasai, o ACNUR está a pedir um montante no valor de 5,5 milhões de dólares para providenciar ajuda imediata a 57 mil refugiados na região, dos quais 25 mil da RDC, mas a situação pode piorar.

Markkus Aikomus alerta que “Angola deve preparar-se para receber entre 20 mil e 30 refugiados congoleses nos próximos tempos” porque há uma saída permanente de pessoas de Kasai.

O porta-voz do ACNUR para África lembra que o conflito em Kasai já provocou mais de um milhão de deslocados.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG