Links de Acesso

ACNUR alerta que Angola pode receber até 30 mil refugiados congoleses

  • Alvaro Ludgero Andrade

Refugiados congoleses no centro de Mussungue, no Dundo.

Conflito em Kasai provoca saída de pessoas para Angola

O número de refugiados provenientes da República Democrática do Congo (RDC) em Angola aumentou para 16 mil, revelou o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR).

Desse total, quatro mil são crianças e muitas delas chegam aos campos de refugiados com febre, diarreia e malária.

Fontes da VOA indicam que nas últimas 48 horas sete crianças morreram nos campos de Mussungue e Kikanga.

A situação piora diariamente com a entrada de 300 a 400 refugiados que fogem aos conflitos na RDC.

“As condições dos campos de refugiados são extremamente pobres, as tendas não são suficientes para acomodar os refugiados e muitos ficam ao ar livre em época de chuvas. Não há instalações sanitárias e precisam de água, acomodação e alimentos”, disse à VOA nesta quarta-feira, 3, Markkus Aikomus, porta-voz do ACNUR para África, com sede em Pretória

O ACNUR pediu ao Governo que reinstale os refugiados a pelo menos 50 quilómetros da fronteira, onde acontece os conflitos e o Executivo de Angola está a fazer isso.

Aikomus garantiu que a agência da ONU “tem uma boa cooperação com o Governo de Angola, a nível nacional, mas também a nível local”.

O ACNUR, que enviou já dois aviões com bens e equipamentos para ajudar os refugiados na Lunda Norte, começou a distribuir comida e água para os próximos 15 dias, além de disponibilizar tendas aos refugiados.

“Estamos a ajudar o Governo angolano a registar aqueles que procuram asilo como forma também de identificar pessoas com necessidades específicas e, no terreno, trabalhamos com nossos parceiros, UNICEF e Médicos Sem Fronteiras, que basicamente garantem a assistência médica”, adiantou Markkus Aikomus.

Com o agudizar do conflito na RDC, particularmente em Kasai, o ACNUR está a pedir um montante no valor de 5,5 milhões de dólares para providenciar ajuda imediata a 57 mil refugiados na região, dos quais 25 mil da RDC, mas a situação pode piorar.

Markkus Aikomus alerta que “Angola deve preparar-se para receber entre 20 mil e 30 refugiados congoleses nos próximos tempos” porque há uma saída permanente de pessoas de Kasai.

O porta-voz do ACNUR para África lembra que o conflito em Kasai já provocou mais de um milhão de deslocados.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG