Links de Acesso

Angola: Comissão de inquérito à tragédia da IURD debaixo de fogo


Advogado diz que vários membros da comissão podem ser eles próprios responsáveis.

A comissão de inquérito anunciada pelo Presidente José Eduardo dos Santos para investigar a tragédia da noite de fim de ano em Luanda em que morreram 16 pessoas, foi criticada por ser composta por várias pessoas que poderão estar abrangidas na própria investigação.

please wait

No media source currently available

0:00 0:02:11 0:00
Faça o Download


O advogado Pedro Capracata disse em Luanda que os Ministros do Interior, da Cultura, dos Desportos bem como o governador de Luanda, não deviam integrar a comissão de inquérito criada ontem pelo Presidente da República para investigar as causas que deram origem à tragédia no dia 31 de Dezembro de 2012, de que resultou a morte de 16 pessoas e mais de 100 feridos.

No entender do advogado angolano algumas as entidades indicadas pelo Chefe de Estado fazem parte do objecto de inquérito não podendo ser juízes de causa própria.
“ O inquiridor deve ser um órgão neutro como é o caso do Ministério da Administração do Território e da Justiça, mas nunca aqueles órgãos que têm responsabilidades por aquilo que se passou,” disse.

O Presidente da República, José Eduardo dos Santos, criou esta Comissão de Inquérito com o objectivo de investigar as mortes que resultaram da vigília do "Dia do fim", promovida pela Igreja Universal do Reino de Deus no estádio da Cidadela Desportiva, em Luanda.

A comissão é coordenada pelo ministro do Interior, Ângelo de Veigas Tavares, tendo como coordenadora-adjunta a ministra da Cultura, Rosa Cruz e Silva.

Integra ainda os ministros da Administração do Território, Bornito de Sousa, da Justiça, Rui Mangueira, da Saúde, José Van-Dúnem, da Juventude e Desportos, Gonçalves Muandumba, e o governador da província de Luanda, Bento Bento.

A comissão é apoiada por um grupo técnico, coordenado pelo secretário de Estado do Interior, integrando representantes das entidades supracitadas, e deve apresentar o relatório do resultado dos seus trabalhos ao Presidente da República no prazo de 15 dias.

Entretanto três das vítimas do incidente foram hoje a enterrar no Cemitério da Sant' Ana.

A sua Opinião

Mostrar Comentários

XS
SM
MD
LG