Links de Acesso

"É preciso destruir o ninho do marimbondo”, diz João Lourenço sobre o combate à corrupção


Presidente angolano, João Lourenço, numa conferência de imprensa no Palácio de Belém em Lisboa, Portugal. 22 Novembro, 2018

Presidente angolano admite haver "picadelas" dos afectados pela sua política

O Presidente de Angola, João Lourenço, admitiu haver “as picadelas” dos afectados pelo combate à corrupção, mas garantiu que não vão“matar” o Governo.

Em declarações à imprensa portuguesa nesta quinta-feira, 22, no Palácio de Belém, em Lisboa, Lourenço deixou claro, que ao anunciar o combate à corrupção, sabia que havia “marimbondos” no ninho.

“Quantos marimbondos existem nesse ninho, não são muitos, devo dizer: Angola tem 28 milhões de pessoas, mas não há 28 milhões de corruptos, o número é bastante reduzido e há uma expressão na política angolana que diz que ‘somos milhões e contra milhões ninguém combate'”, afirmou Lourenço no primeiro dia da sua visita a Portugal.

“Quando nos propusemos a combater a corrupção em Angola, tínhamos noção de que precisávamos de ter muita coragem, sabíamos que estávamos a mexer no ninho do marimbondo, que é a designação, numa das nossas línguas nacionais, do terminal da vespa”, sublinhou Lourenço, assegurando que não irá recuar porque “é preciso destruir o ninho do marimbondo”.

Presidente de Angola, João Lourenço e seu homólogo português Marcelo Rebelo de Sousa (dir), no Palácio de Belém em Portugal
Presidente de Angola, João Lourenço e seu homólogo português Marcelo Rebelo de Sousa (dir), no Palácio de Belém em Portugal

Ao lado do seu homólogo português, Marcelo Rebelo de Sousa, o Presidente angolano foi questionado se está a brincar com fogo, na sua campanha contra a corrupção, tendo respondido ter a noção “das consequências desta brincadeira”.

“O fogo queima, importante é mantê-lo sob controlo, não deixar que ele se alastre e acabe por se transformar num grande incêndio”, explicou João Lourenço.

O chefe de Estado angolano alertou que “ninguém pense que, por muitos recursos que tenha, de todo o tipo, consegue enfrentar os milhões que somos”.

Além do encontro com o Presidente português, que visitou Luanda meses atrás, Lourenço discursa ainda hoje na Assembleia da República.


Leia também:

Angolanos preocupados com contenda entre João Lourenço e José Eduardo dos Santos

"Tínhamos a economia sob controlo", afirma José Eduardo dos Santos

José Eduardo dos Santos garante ter deixado 15 mil milhões de dólares nos cofres do Estado

Isabel dos Santos alerta para "crise profunda" em Angola

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG