domingo, 26 outubro, 2014. 07:38 UTC

Moçambique

Moçambique: Tensão persiste depois de ataques da Renamo

As reacções surgem de todos os lados e para além da condenação ao acto surgem também apelos ao diálogo.

Elementos da Renamo
Elementos da Renamo
William Mapote
Em Moçambique, o ataque levado ontem a cabo por elementos da Renamo e que vitimou cinco polícias e um guerrilheiro partidário de Afonso Dhlakama está a suscitar reacções de todos os quadrantes da sociedade moçambicana.

As reacções surgem de todos os lados e para além da condenação ao acto, surgem também apelos ao diálogo.


A partir do Malawi onde esteve de visita, o Presidente da República, Armando Guebuza, mostrou-se preocupado com a situação, e falou da necessidade de se encontrar uma solução, para que o povo não viva sempre assustado.

Do partido Frelimo vieram também discursos de repúdio e de disponibilidade para o diálogo com a Renamo.

Com os políticos na retórica, a comunidade cristã mostrou-se preocupada com os sinais de retorno a instabilidade e querem contenção de ambas as partes.

Os Bispos Dom Chimoio e Dinis Sengulane, da Igreja Católica e Anglicana, respectivamente, dizem que o país não quer mais guerra e, por isso, há que haver entendimento entre os políticos, independentemente do tipo de desavenças.

A igreja católica estranha a acção da Polícia de Intervenção Rápida e diz não encontrar razões para acção que originou a reacção dos homens de Afonso Dhlakama.

"Se eles estavam na sua sede, não havia necessidade de serem expulsos", realçou Dom Chimoio.

A igreja Católica suspeita mesmo da existência de uma mão externa, interessada em fomentar a guerra, para tirar proveito dos recursos naturais.

"O nosso continente é sempre alvo de confusão porque tem muitos recursos. E há pessoas que vem provocar guerras e depois virem se apresentar como quem vem ajudar", disse Dom Chimoio, alertando para que os moçambicanos não se deixem ludibriar.

Ao longo desta sexta-feira o ambiente apresentava-se calmo, mas o medo continua latente, quer em Muxúngue, que no resto do país.

No terminal Rodoviário de Maputo, local de onde partem autocarros com destino ao centro e norte do país, as carreiras esperaram até o raiar do sol para seguirem viagem, num sinal de prudência e espectativa sobre as informações que viriam de Muxúngue.
O forúm foi encerrado
Comentário
Comentários
     
por: Joao Lameiras de: Maputo
06.04.2013 06:46
Esta situacao tem a ver com a atitude do governo de Mocambique e da sociedade civil (jovem) que encaram a Renamo com certo desprezo, todos pensam que a Renamo e seu lider sao palhacos e so estao a ameacar pois nunca vao fazer nada. A sociedade civil e este governo esquecem que a Renamo ganhou a guerra e controlou todo o pais. Eu acho que a Frelimo tem de deixar de ser egoista e aprender a valorizar a Renamo e dar espaco de participacao em todas esferas (i) politicas ; (ii) economicas e (iii) social. Mocambique tem muitos recursos e que bem distribuidos chegam e bastam para todos. Abaixo o egoismo cientifico da Frelimo. Isto nao vai ajudar em nada.

Galeria de fotos Em Moçambique ganha a abstenção - Veja os resultados por província

Os dados fornecidos pelo CIP revelam que dos perto de 11 mil eleitores, apenas quatro mil votaram em Moçambique


Galeria de fotos Moçambique – Eleições 2014 Dhlakama, Nyusi e Simango

Resultados provisórios Dhlakama e Nyusi votaram em Maputo. Daviz Simango votou na Beira


Galeria de fotos Galeria de fotos do ouvinte Eleições Moçambique

Fotos enviadas pelos ouvintes da VOA que nos acompanham pelo WhatsApp +1 908 652 4584



Manifesto Eleitoral do MDM

Manifesto Eleitoral da RENAMO

Manifesto Eleitoral da FRELIMO