quinta-feira, 23 outubro, 2014. 04:30 UTC

Notícias / Angola

Advogado de Benguela acusa governo de proteger homicida chinês

A vítima dedicava-se à prática do câmbio de rua

Agente da policia em Benguela
Agente da policia em Benguela
António Capalandanda
Um advogado em Benguela acusa as autoridades angolanas de estarem a proteger um cidadão chinês acusado de crime de homicídio para não prejudicara cooperação entre Angola e a China.

Em declarações a Voz da América, Francisco Viena disse que, a protecção angolana deste cidadão pelo poder político angolano marca mais um recuo no processo de democratização em Angola. O indivíduo em causa, foi julgado da morte de um vendedor de moeda.


“Tenho a certeza absoluta que o sr. Ministro do Interior é conhecedor deste assunto, enquanto titular deste órgão devia também tomar alguma providência em torno desta situação” disse o causídico, acrescentando que “infelizmente acontece que há aqui uma protecção do cidadão chines, isto é um sinal bastante terrível ao processo de democratização e reforma das instituições que tive inicio há cerca de dez anos.”

Zang Yan foi condenado à revelia pelo tribunal de Benguela, a pena efectiva de 23 anos de prisão, e a pagar uma indemnização à família do malogrado no montante de 20 mil dólares norte-americanos. Mas até ao momento a pena não foi executada.

“A China é um país que mais tem financiado a reconstrução de Angola, através dos empréstimos que o governo pede. Entendemos que neste caso há intervenção do poder político,” opinou Viena.

Zang Yan foi acusado pelo Ministério Público de ter assassinado o cidadão angolano Pedro Chiwila Nguli, esfaqueando-o múltiplas vezes, em Novembro de 2010, na cidade de Benguela.

A vítima dedicava-se à prática do câmbio de rua. Segundo depoimento de uma das testemunhas, um grupo de cinco chineses deslocou-se ao local de venda ambulante de moeda estrangeira, e mostrou interesse em comprar cerca de 30 mil dólares americanos.

O malogrado que tinha o valor aproximado, saiu com os supostos clientes para fazer o negócio. O tempo foi passando e nunca mais aparecia. O seu corpo seria encontrado no dia seguinte, nas imediações do novo estádio de futebol “Ombaka”, com as mãos e as pernas amarradas e a boca tapada com fita adesiva, apresentando sinais de tortura e de esfaqueamento.

As autoridades policiais detiveram Zang Yan, na segunda semana de Março de 2011, e o Ministério Público acusou-o formalmente de crime de homicídio voluntário e remeteu o caso para o Tribunal Provincial de Benguela.

Durante o período de julgamento Zang Yan foi transferido da penitenciária de Benguela para a cadeia Luanda sem o conhecimento do juíz do caso.

No dia 8 de Outubro de 2012, os advogados David Mendes e Francisco Viena, apresentam uma queixa-crime contra o director da penitenciária de Benguela, Feliciano Manuel Soma, por este ter ordenado a transferência do cidadão chinês Zang Yan, sem que tenha sido proferida a sentença final sobre o caso e sem o conhecimento do juiz.

Viena diz que até agora não sabem em que pé está o processo, visto que nunca foram notificados pela Procuradoria-Geral da República.

Um fonte da procuradoria disse à VOA que o processo foi remetido à Polícia de Investigação Criminal para saber as causas da transferência de Yan e implicados, mas a procuradoria nunca recebeu informações sobre o andamento do processo.

A fonte da VOA revelou ainda que, após a condenação, o ministério público interpôs um recurso ao Tribunal Supremo por imperativo legal e até hoje não se sabe nada do processo, impedindo a execução.

Soube a VOA que o Bloco Democrático (BD), deverá enviar uma carta ao ministério publico para solicitar informações sobre a paradeiro de Zang Yan e se este órgão não se pronunciar nos próximos trita dias aquele partido deverá realização manifestações defronte ao tribunal e ao ministério publico para exigi a execução da pena.
O forúm foi encerrado
Comentário
Comentários
     
por: VALENTIM de: BENGUELA - BALOMBO
03.02.2013 09:38
isto significa que até o nosso PR também é assacino. não faz sentido sendo o mais alta patente deixa andar as coisas assim.


por: valentim de: Benguela - Balombo
02.02.2013 16:45
Isto traduz que até o PR, também é assacino. É inacreditável deixar passar casos de género.


por: Anónimo
02.02.2013 16:38
SE FOSS NA CHINA ESTE ANGOLANO Q MATARIA O CHINES DAR-LHE IAM PORCARIA ENVENENADA ANTES DE LHE DEGOLAREM A CABECA. MAS COMO E EM ANGOLA ONDE O SISTEMA DE CORRUPCAO DA ANTIGA BABILONIA FUNCIONA ENTAO TUDO E POSSIVEL .

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Sexta 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Mãe Trabalhadora - trailler do filmei
X
22.10.2014 18:29
O filme explora a dupla responsabilidade das mulheres moçambicanas, como mães e trabalhadoras. Gentilmente cedido pelo Organização Internacional do Trabalho
Vídeo

Vídeo Mãe Trabalhadora - trailler do filme

O filme explora a dupla responsabilidade das mulheres moçambicanas, como mães e trabalhadoras. Gentilmente cedido pelo Organização Internacional do Trabalho
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 22 Outubro 2014

As noticias de Africa em imagens
Vídeo

Vídeo Ébola e os órfãos da Serra Leoa

Centenas de crianças ficaram órfãos na Serra Leoa devido ao surto do vírus do Ébola, são vítimas do estigma e da rejeição. Os familiares não querem saber deles. A Serra Leoa abriu o primeiro orfanato de vítimas do Ébola no distrito de Kailahun.
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 21 Outubro 2014

As noticias de Africa em imagens
Vídeo

Vídeo Ébola: Um Poema para os Vivos

O filme da Chocolate Moose é uma animação desmistificando o Ébola, explicando a doença através do caso de um menino infectado. A VOA fez a dobragem do vídeo original na voz de Mayra de Lassalette. Saiba mais no link http://tinyurl.com/l7vgtjv
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 17 Outubro 2014

As noticias de Africa em video
Vídeo

Vídeo Nascimentos na Libéria em tempos de Ébola

O hospital JFK na Libéria tinha encerrado a maternidade, devido ao Ébola, mas urge agora reabrir o serviço que já fez 93 partos desde que voltou a abrir
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 15 Outubro 2014

As noticias de Africa em video
Mais Vídeos