sábado, 25 abril, 2015. 21:45 UTC

Notícias / Angola

Governo deve pronunciar-se sobre detenção de correspondente da VOA, diz activista dos direitos humanos

Prisão demonstra que governo é contra monitorização das suas actividades

Coque Mukuta
Coque Mukuta
Venâncio Rodrigues
O secretário executivo do Conselho de coordenação dos Direitos Humanos de Angola, Francisco Tunga Alberto, desafiou o Ministro da Justiça e dos Direitos Humanos e a imprensa a pronunciarem-se sobre a agressão e detenção, pela polícia angolana, do jornalista Coque Mukuta, na última sexta-feira, na vila de Viana, em Luanda.


Depois de condenar de forma àspera a atitude da Polícia, o responsável cívico   manifestou-se preocupado com o estado de saúde do Coque Mukuta tendo sugerido que  a vítima devia ser submetida a exames médicos para se determinar se a agressão não trará consequência sobre o seu estado de saúde no futuro.

Tunga Alberto considerou que a recente actuação da Polícia, “confirma, mais uma vez” que o regime do MPLA é contra a monitorização, pela imprensa, do desempenho do seu Governo  .

O correspondente da Voz da América foi agredido e detido, por várias horas, quando se encontrava em serviço de reportagem na vila satélite de Viana, na sexta-feira.

O jornalista entrevistava vendedoras de rua que acusara os agentes da Fiscalização e da Polícia da Ordem Pública de chantagem, intimidação e assédio sexual.
O forúm foi encerrado
Comentário
Comentários
     
por: prof.kiluange de: new york
08.01.2013 20:04
Em Angola, se o problema fosse "só" o sr. José Eduardo dos Santos e seus comparsas dire(c)tos nacionais... hoje nós já [o] teríamos resolvido num abrir e fechar de olhos!... seria tanta desonestidade intelectual "rotularmos a oposição de débil politica", quando na verdade os seus respectivos esforços [individuais ou colectivos!]meramente conseguem pôr a mão na ferida que "dói"... Dos Santos mentiu-se a si próprio...ao povo angolano e a comunidade internacional...e..quando mais de 5.000 mil indivíduos chineses da contra- inteligência chinesa operantes em Angola são capazes de influenciar e agir os destinos do nosso próprio produto interno bruto (PIB), avaliados em mais de $115.9 bilhões (2011 est.),e matérias-primas e derivados , terras aráveis, etc., pergunta-se: até que ponto somos capazes de "minimizar" um possível recurso imediato ao extremo?

PIB-info/referencia..http://www.indexmundi.com/pt/angola/produto_interno_bruto_(pib).html

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Qui 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sexta-feira 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Passadeira Vermelha: Star Wars, Oprah Winfrey e filha de Whitney Houston acendem os holofotes!i
X
24.04.2015 16:24
O episódio 12 da #PassadeiraVermelha da VOA traz novidades da Oprah Winfrey, uns miminhos do Star Wars, daqueles bem bons e vamos ver quem rebentou o record de vendas de bilheteira de cinema das últimas semanas!
Vídeo

Vídeo Passadeira Vermelha: Star Wars, Oprah Winfrey e filha de Whitney Houston acendem os holofotes!

O episódio 12 da #PassadeiraVermelha da VOA traz novidades da Oprah Winfrey, uns miminhos do Star Wars, daqueles bem bons e vamos ver quem rebentou o record de vendas de bilheteira de cinema das últimas semanas!
Vídeo

Vídeo O Auxílio à morte nos Estados Unidos

Nos 18 anos da lei "Morte com Dignidade" no Oregon, cerca de 750 pessoas terminaram suas vidas com drogas letais. O medicamento também pode ser prescrito no Estado de Washington, Novo México, Vermont e Montana. Uma paciente terminal abriu o debate a outros estados
Vídeo

Vídeo Xenofobia na África do Sul

Na semana passada, a África do Sul foi tomada por ataques contra estrangeiros que moram no país. Alguns dizem que os ataques são culpa do legado do colonialismo, outros dizem que são problemas económicos da nação. Independentemente da causa, sul-africanos rezam pelo fim da violência.
Mais Vídeos