quarta-feira, 29 julho, 2015. 06:48 UTC

Notícias

Racismo à brasileira: Desigualdade social atrelada à questão racial

Afro descentes negros e brancos nunca viveram em condições igualitárias

Racismo à brasileira: Desigualdade social atrelada à questão racial
Racismo à brasileira: Desigualdade social atrelada à questão racial



Nesta Semana da Consciência Negra, lembrada no Brasil até o próximo domingo, é recorrente a reflexão sobre o chamado “racismo à brasileira.”

A história tem mostrado que no país de maioria afrodescendente negros e brancos nunca viveram em condições igualitárias, mas, por outro lado, também não conviveram num regime de apartheid. Para especialistas, esse contexto dúbio levou o país a desenvolver um tipo de "racismo dissimulado". Pesquisas já mostraram que a grande maioria dos brasileiros admite a existência do problema no país. No entanto, essas mesmas pessoas afirmam não ter preconceito racial.

Para Edson Borges, professor do Núcleo de Estudos Afro Asiático da Universidade Cândido Mendes, os graves problemas vividos pelos afrodescendentes no Brasil fazem parte de uma complexa articulação desse racismo velado com as desigualdades sociais. “A desigualdade social brasileira ela está agarrada a diversos fatores: renda, moradia, condições de saúde. Mas, ela é estritamente associada á questão racial. O modelo brasileiro do racismo a brasileira é muito específico e tornou-se algo invisível, mas profundamente presente,” explica.

O analista lembra que o racismo dito “invisível” se constituiu dessa forma no Brasil por causa da história da escravidão no país: “Durante a própria escravidão, apesar das distinções, o negro foi integrado na sociedade em pequenas parcelas, dentro de pequenos núcleos pautados pela miscigenação. Então, por isso, nós tivemos a concepção de uma escravidão que teria um sentido mais benigno. Mas, o racismo, na verdade, pontuou a história brasileira o tempo todo.”

Edson Borges lembra que a diferença da concepção do racismo no Brasil fica mais evidente quando comparamos o modelo brasileiro com o americano e o sul-africano. “O modelo norte-americano é clássico porque também foi fundada uma sociedade escravista, mas com inspirações diferentes. Já retiravam o negro da própria condição de pessoa e o colocando á parte. Lá nós tivemos uma clara construção de “apartamento”, de separação e de políticos estatais de segregação. Isso também aconteceu no quadro sul-africano. Então esses dois quadros definiram claramente políticas de segregação envolvendo negros e brancos. No caso brasileiro, o racismo tornou-se invisível, como se o estado não tivesse participado.”

O estudioso lembra que toda a camuflagem da prática brasileira de discriminação contra negros tem sido, cada dia mais, percebida. Esse entendimento da forma como se dá a questão racial brasileira tem, inclusive, mudado a configuração da luta anti-racista no país, cada vez mais internacionalizada, contando pouco com apoio interno. “Essa luta tem conquistado poucos apoios entre os brancos brasileiros. Há uma grande dificuldade de que o branco, empresários, artistas, conjuguem uma luta conjunta contra o racismo á brasileira. Por causa exatamente daquela concepção reinante de que no Brasil o racismo pontual, individual e não estrutural não temos ainda um grande movimento cívico, e nem sei se um dia teremos, que lute contra o racismo à brasileira.”

O estudioso destaca, ainda, que a impossibilidade de camuflagem do grave problema no Brasil tem forçado avanços nos últimos anos, na área, sobretudo, nos governos dos ex-presidentes Fernando Henrique Cardoso e o presidente Luis Inácio Lula da Silva. “Torna, a nível internacional, cada vez mais difícil o Brasil negar a existência de um racismo devido a dados quantitativos envolvendo a população negra brasileira. Isso levou o governo Fernando Henrique Cardoso, em 2001, na Conferência de Durban, a assumir responsabilidade histórica frente ao racismo e também a necessidade de operar com políticas estatais que foram prosseguidas por Estados e Municípios”, afirma.

“Temos assistido a avanços e teremos um julgamento épico no Supremo Tribunal Federal (STF), no próximo ano, da questão da constitucionalidade ou não das ações afirmativas, principalmente, nas universidades públicas brasileiras,” lembra Edson Borges.  “Outro ponto que eu destacaria é o aprofundamento e a organização a nível nacional e internacional dos movimentos sociais negros brasileiros se mobilizando para buscar apoios internos e externos para políticas contra o racismo a brasileira.”

Lembrando que a Semana da Consciência Negra no Brasil é marcada pelo Afro XXI, evento que vai reunir, em Salvador (BA), de amanhã (17) até o próximo domingo (20), diversos líderes da sociedade civil, de governos e parlamentares de países ibero-americanos e africanos. O evento faz parte das últimas comemorações do Ano Internacional dos Afrodescendentes, como foi definido este ano de 2011 pela Organização das Nações Unidas (ONU).

O forúm foi encerrado
Comentários
     
Năo existem comentários. Seja o primeiro

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Qui 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sexta-feira 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Amy Winehouse - o filmei
X
29.07.2015 05:57
No documentário, Amy, o realizador Asif Kapadia conta a história do nascimento e queda da super estrela do jazz Amy Winehouse. Usando filmes caseiros feitos por amigos e produtores de Amy, concertos, entrevistas públicas e sessões de gravações, Kapadia criou um retrato fantástico da cantora
Vídeo

Vídeo Amy Winehouse - o filme

No documentário, Amy, o realizador Asif Kapadia conta a história do nascimento e queda da super estrela do jazz Amy Winehouse. Usando filmes caseiros feitos por amigos e produtores de Amy, concertos, entrevistas públicas e sessões de gravações, Kapadia criou um retrato fantástico da cantora
Vídeo

Vídeo Sudão: música salva pessoas da morte

Em 2012 o realizador sudanês Hajooj Kuka realizou um documentário entre os refugiados da Guerra civil no Nilo Azul, Sudão, e na região montanhosa de Nuba. E surpreendeu-se com o que ali viu – a música estava a ajudar a salvar pessoas que estavam a ser alvo de ataques aéreos do seu próprio governo
Vídeo

Vídeo Marvel Comics lança um novo Homem-Aranha: Miles Morales

Seja em quadradinhos ou na tela do cinema, fãs estão acostumados a ver Peter Parker por trás do Homem-Aranha. Mas isto está a mudar. A Marvel Comics lançou Miles Morales para substituir Peter Parker em uma nova série de quadradinhos. Ele é metade latino e metado afro-americano e já é bem popular.
Vídeo

Vídeo Procuradoras mulheres da Somália para fazer a diferença

Numa nação marcada por um longo conflito, corrupção e impunidade, o governo da Somália espera reconstruir o sistema de justiça do país e pela primeira vez trouxe seis procuradoras mulheres ao processo
Vídeo

Vídeo Jornalista cego da Somália

Apesar da melhoria de segurança, nos últimos anos, Somália continua um dos países mais perigosos para ser jornalista, pior para que não tem a capacidade de ver. Abdifatah Hassan Kalgacal têm reportado na última década a partir da capital daquele país. É cego
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 23 Julho 2015

As imagens noticiosas de Africa
Mais Vídeos