sexta-feira, 31 julho, 2015. 03:02 UTC

Notícias / Angola

Angola: Preços altos e burocracia impedem desenvolvimento do turismo

Os custos logísticos elevados, bem como constrangimentos burocráticos levam a que Angola seja ainda pouco atractiva, para se fazer turismo

Avenida Marginal, Luanda
Avenida Marginal, Luanda
Manuel José
A carestia dos serviços é um dos motivos que faz com que os turistas estrangeiros não venham a Angola concluem analistas. Os custos logísticos elevados, bem como constrangimentos burocráticos levam a que Angola seja ainda pouco atractiva, para se fazer turismo, segundo a jurista Ana Paula Godinho:

“Temos um país muito caro, temos um país em que a mão-de-obra é muito barata mas as coisas são muito caras”.

Ana Paula Godinho acredita que a exigência de apresentação de uma carta de chamada, para se entrar no país, afasta os turistas estrangeiros:

“Para vir para Angola precisa de ter uma carta de chamada, eu vou passar férias a qualquer sítio do mundo ninguém me pede carta de chamada, ninguém me pede outro tipo de coisas que pedem para vir a Angola”.

É preciso, na óptica da advogada, acabar com estas exigências se quisermos incentivar actividades turísticas em Angola:

“São constrangimentos inadmissíveis num país que quer fomentar o turismo”.

Para a analista política Alexandra Simeão, mesmo para os turistas internos, as famílias preferem ir ao estrangeiro por causa da carestia em Angola:

“Sai mais barato uma família ir, por exemplo, à Namíbia de avião e ficar num hotel de cinco estrelas ou ir à África do Sul do que ir ao Lubango”.

A analista política criticou igualmente o pedido de carta de chamada para os estrangeiros visitarem Angola.
“Essa coisa da carta de chamada é incompreensível, se um cidadão na Suécia quiser vir cá e não tiver um parente e ele diga que quer ver a Igreja de Mbanza Congo, quem lhe vai dar uma carta de chamada? À partida isto não pode ser um país que apela ao turismo”.

Já a economista Laurinda Hoygaard aponta o fraco saneamento básico de Luanda como a razão para afugentar os turistas estrangeiros, como um dia Luanda poderá se transformar numa cidade desértica:

“A cidade de Luanda a continuar desta maneira vai ser uma cidade inabitável, dentro de algum tempo”.

Angola um país pouco atractivo para actividades turísticas, de acordo com vários analistas angolanas.
.
O forúm foi encerrado
Comentário
Comentários
     
por: Bento&Bento de: Luanda
20.12.2012 10:32
concordo apenas com a Drª Laurinda, porque se não haver meio para se fazer turismo não adianta eles viajarem pra Angola! e duvido que algum estrangeiro tenha vontade de fazr turismo em aqui nesta altura pque a verdadeira vinda deles è o trabalho que na europa e america não existe. Pra mim dâ-me a censacao de que para os analistas o turismo só e´feito com os estrageiros.ERRADO! o melhor turista é o local. temos como exemplo o Brasil onde os turista são os proprios brasileiro com cerca de 95% e os estrangeiros com 5%. ABRAM OS OLHOS!


por: Fragoso de: Alemanha
19.12.2012 22:30
Apesar da carta de chamada, Angola tem um dos vistos turísticos mais caros do Mundo (€ 250,00)... e depois o péssimo servico das nossas Embaixadas.

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Qui 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sexta-feira 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Manchetes Americanas 30 de Julho 2015i
|| 0:00:00
...  
🔇
X
30.07.2015 18:51
Vídeo

Vídeo Amy Winehouse - o filme

No documentário, Amy, o realizador Asif Kapadia conta a história do nascimento e queda da super estrela do jazz Amy Winehouse. Usando filmes caseiros feitos por amigos e produtores de Amy, concertos, entrevistas públicas e sessões de gravações, Kapadia criou um retrato fantástico da cantora
Vídeo

Vídeo Sudão: música salva pessoas da morte

Em 2012 o realizador sudanês Hajooj Kuka realizou um documentário entre os refugiados da Guerra civil no Nilo Azul, Sudão, e na região montanhosa de Nuba. E surpreendeu-se com o que ali viu – a música estava a ajudar a salvar pessoas que estavam a ser alvo de ataques aéreos do seu próprio governo
Mais Vídeos