Links de Acesso

Polícia impede de novo manifestação em Malanje


Manifestantes querem feriado para honrar vítimas do Massacre da Baixa do Cassanje; governador particpou em cerimónias do dia

Pelo segundo dia consecutivo a polícia angolana impediu uma manifestação em Malanje a favor do restabelecimento do 4 de Janeiro como feriado nacional.

Apenas quatro pessoas tentaram manifestar-se Domingo depois de no sábado a policia ter também impedido uma manifestação pelos mesmos organizadores.

João Canda, António Canquiense, Sampaio Kimbanda Mwanza e Santos Manuel Kuntuala estão a ser ouvidos pelas autoridades policiais.

Outros cidadãos que se encontravam na zona foram também detidos.

António Canquiense disse que é intensão do grupo agora levar o caso á embaixada de Portugal.

O “Grupo de Activistias das 18 Províncias” quer o 4 de Janeiro como feriado para honrar as vítimas do massacre da Baixa do Cassanje durante o domínio colonial português.

“Caso eles não reintegrarem o 4 de Janeiro como feriado nós não vamos parar, aliás, daqui há mais dias vamos incumbir uma direcção lá para a embaixada portuguesa, vamos dar uma carta na embaixada portuguesa para ver se chega lá no Estado português”, acrescentando que o objectivo é a construção de “um monumento lá na Baixa de Cassanje, que é um monumento histórico”.

Testemunhas no local disseram a VOA que além dos manifestantes outros cidadãos foram igualmente detidos pelos agentes da lei e da ordem.

Em Malanje, o acto provincial do dia “Dos Mártires da Repressão Colonial” aconteceu no município do Quela, a 115 quilómetros a norte da província, presidido pelo governador Norberto Fernandes dos Santos.

Norberto Fernandes dos Santos depositou uma coroa de flores no túmulo das vítimas enterradas na localidade de Teka-Dia-Kinda e participou de uma palestra sobre o 4 de Janeiro de 1961, proferidas pelos sobas Teka Dya Kinda e Kimateca, ambos sobreviventes do “Massacre da Baixa de Cassanje”.

Mostrar Comentários

XS
SM
MD
LG