Links de Acesso

Partidos políticos angolanos contestam as perseguições às zungeiras

  • Coque Mukuta

Avenida Marginal, Luanda

Avenida Marginal, Luanda

CASA-CE e MPLA contra violência policial que se abate sobre vendedoras ambulantes

O MPLA condena perseguições e assédio sexual às vendedoras ambulantes.

Depois das organizações da sociedade civil angolana terem condenado a chantagem, perseguições e assédio sexual por parte de elementos da Polícia Nacional e da Fiscalização contra as vendedoras ambulantes (zungueiras), os deputados do MPLA e da CASA-CE juntaram-se à onda de protesto e revelam mesmo que preparam acções práticas para ajudar aquelas vendedoras.

Palavras de solidariedade, alento e garantia de nos próximos dias darem atenção aos maus tratos contra as vendedoras ambulantes vêm da CASA-CE como revela Lindo Bernardo Tito porta-voz daquela formação política.

“No debate que se está a desenvolver sobre orçamento, será a ocasião para indagar qual é a política que têm para proteger as mamãs zungueiras,” frisou.

Para o MPLA, partido governante, na voz do quarto vice-presidente da sua bancada parlamentar, jurista João Pinto, o grande problema reside na segurança pública e na urbanidade das capitais

Para o parlamentar as vendedoras deixam imobilizadas algumas ruas, mas segundo o político os agentes da fiscalização e da Polícia Nacional não devem recorrer à força ou violência contra as vendedoras ambulantes.

“Todos os órgãos que se dedicam à manutenção da ordem pública devem actuar de forma pedagógica e não de forma abusiva e imprópria, devem por via de informação e de acompanhamento, não utilizarem a violência porque isto é condenável pela constituição,” disse.

Lembro que o actual Governador da Província de Luanda Bento Bento disse em 2012 que uma das medidas mais urgentes do seu consulado seria estancar a actividade comercial nas ruas de Luanda, sobretudo em Viana, São Paulo e Congolenses.

Mostrar Comentários

XS
SM
MD
LG