Links de Acesso

Caso dos bolseiros moçambicanos sem acordo à vista

  • William Mapote

Uma rua do centro historico de Argel

Uma rua do centro historico de Argel

Os pais e encarregados de educação dos bolseiros moçambicanos em greve na capital argelina, Argel, acusam as autoridades consulares de fugirem das suas responsabilidades para pôr fim a situação ao diferendo com os estudantes.

Os pais e encarregados de educação dos bolseiros moçambicanos em greve na capital argelina, Argel, acusam as autoridades consulares de fugirem das suas responsabilidades para pôr fim a situação ao diferendo com os estudantes.

Num encontro de emergência realizado quinta-feira entre com as autoridades da Educação, os encarregados vincaram que a greve, que dura já há quatro dias, resulta da falta de diálogo, consumado com o abandono das autoridades diplomáticas da Embaixada moçambicana em Argel, deixando os cerca de uma centena estudantes, à sua sorte.

O encontro foi convocado pelo Instituto de Bolsas de Estudo, uma entidade subordinada ao Ministério da Educação, que pretendia pedir aos pais, uma intervenção no sentido de persuadir os insurrectos, a abandonarem a Embaixada moçambicana, que continua com as actividades paralisadas desde segunda-feira.

Foi hora e meia de uma reunião que chegou a registar alguns momentos de animosidades entre as partes tendo terminado com a vontade dos encarregados, de persuadir os bolseiros, a procurarem outras formas de reivindicação, que passam pelo abandono à embaixada.

Refira-se que existem na Argélia 184 bolseiros moçambicanos, parte dos quais, aderiram à greve que sitiou a embaixada moçambicana, reivindicando o aumento do valor da sua bolsa, fixada em 150 dólares americanos.

Esta tarde, ainda em frente à embaixada moçambicana em Argel os bolseiros pareciam estar entre a espada e a parede, depois do anúncio de que o governo estaria a pressionar os encarregados de educação em Maputo para obriga-los a desmobilizar-se.

Hoje no quarto dia desta vigília em frente a representação diplomática de Moçambique na capital argelina, mais de 80 estudantes estiveram presentes. Mas o ímpeto inicial que marcou esta reivindicação está afrouxando, e muitos dos presentes contactados pela Voz da América recusaram-se em se identificar ou mesmo falar, por receios de represálias.

Alguns disseram que os pais ou encarregados de educação foram advertidos em Maputo pelo governo para manda-los acabar com a reivindicação, como terá sido em anteriores situações.

Ouça a entrevista da Voz da América com um desses estudantes à porta da embaixada moçambicana em Argel...

A Voz da América promete voltar a abordar este assunto nos nossos jornais.

XS
SM
MD
LG