Links de Acesso

Voltar a Angola para trabalhar ou não?


Adão Agostinho escreve para a revista científica online Ilgeopolitico.org dedicada a análises de política internacional. Ele também é coordenador da área geopolítica da África Subsahariana nessa publicação

Angola precisa de jovens para fortalecer o Estado angolano, diz Adão Agostinho.

O politólogo Adão Agostinho, de 26 anos, está prestes a concluir o mestrado em Relações Internacionais na Universidade La Sapienza na Itália, em Roma. Isso significa que em breve ele terá que decidir se irá continuar os estudos e começar um doutoramento ou voltar para Angola e passar a trabalhar.

Agostinho, que é natural do município do Saurimo, Lunda Sul, disse em entrevista à Voz da América que está optimista, embora haja um alto número de jovens desempregados no país. Segundo o Relatório sobre Emprego 2015/2016 divulgado pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), 40 por cento dos jovens entre 15 e 19 anos estão desempregados na província da Lunda Sul, a taxa mais elevada no país.

“Saímos de lá para estudar e voltar com a experiência.”

Adão Agostinho, que escreve para a revista científica online Ilgeopolitico.org e também é coordenador da área geopolítica da África Subsahariana nessa publicação, salientou que o Presidente João Lourenço precisará de tempo para resolver os problemas, e lembrou que em um ano ele já fez algumas reformas notáveis.

“Um aspecto que é importante nessa governação é a aposta na juventude. Agora vê-se jovens de 30 a 35 anos que estão no Governo Central”.

Agostinho citou uma notícia recente sobre nomeações na administração provincial da Lunda Sul, a qual informou que a maior parte das pessoas que foram nomeadas eram jovens.

“Isso deixa-me contente. Eu escrevi um artigo sobre o distanciamento dos jovens da vida política angolana, mas agora vê-se que há passos avante. O Governo está a apostar na juventude. As reformas estão sendo feitas”.

Outras melhorias que Agostinho também citou foram as viagens do Presidente ao interior do país e a liberdade de circulação que os angolanos têm quando vão a Moçambique, Cabo-Verde, África do Sul, entre outros países, sem precisar tirar vistos.

O politólogo ressaltou a importância de dar tempo ao novo Presidente e a necessidade de João Lourenço ter bons conselheiros para que Angola possa sair da crise económica.

E concluiu: “Se não formos nós, angolanos, a ajudar o nosso país, não podemos esperar que o estrangeiro faça”.

Confira a entrevista na íntegra.

Entrevista com Adão Agostinho
please wait

No media source currently available

0:00 0:07:07 0:00

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG